sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Calendário dos próximos jogos do Benfica - Champions e campeonato

Voltou a competição de clubes e terça-feira temos já um jogo muito importante com o Spartak de Moscovo. Penso que as contas da Champions para garantir o apuramento são estas.
Depois regressa o campeonato com novo compromisso fora, difícil, contra o Gil Vicente. É de sábado a uma semana.
Para facilidade de consulta aqui fica o calendário dos próximos jogos:

Spartak - Benfica, Moscovo, terça-feira 23/10/2012 às 17.00h.
Gil-Vicente-Benfica, Estádio Cidade de Barcelos, sábado 27/10/2012 às 20.30h
Benfica-Guimarães, Estádio da Luz, sábado 3/11/2012 às 20.30h.

Aproveito também para agradecer a todos os visitantes e leitores habituais deste blog. Muito obrigado pelo interesse e pelos múltiplos comentários. Temos tido uma quantidade surpreendente de visitas e manifestações de apoio que naturalmente me deixam muito satisfeito. Infelizmente essas visitas não se reflectem no número de "seguidores" do blog, pelo que queria encorajar os leitores e parceiros do Justiça Benfiquista a aderir ao site ou a segui-lo por email, através da barra lateral do vosso lado direito. Demora segundos a fazer e deixa-vos mais próximos de nós e do nosso acompanhamento da realidade do Benfica.

Destaques de imprensa

A vitória do Benfica por 4-0 sobre o Freamunde tem obviamente destaque assim como utilização de alguns jogadores portugueses e da formação. Diria eu que só faltou mesmo Miguel Vítor. Também se refere que  Cardozo e Lima se entendem bem (mas a substituição de Lima por Rodrigo deve indicar que estes dois últimos devem formar a dupla titular no jogo contra o Spartak de Moscovo).

Sobre as eleições há poucas notícias. Umas críticas pouco significativas de Rangel a Vieira, a presença de ambos em Freamunde e pouco mais.

Nos nossos rivais é notícia a convocatória de urgência do Conselho leonino. O Sporting está completamente à deriva. Um dia o treinador está "identificado há muito", no dia seguinte quer-se que "Oceano se sinta o treinador do Sporting". Em matéria de treinadores, refere-se também que "Scolari não admite treinar o Sporting ("Record").

No clube do Porto, faz notícia o facto dos prejuízos da SAD terem ascendido a 35,7 milhões de Euros. Pelos vistos não fomos só nós a ter maus resultados. Outra notícia muito curiosa é a do "JN", de acordo com a qual o Porto vai fazer empréstimo obrigacionista. Isto faz-vos lembrar alguma coisa? Pois, João Vale e Azevedo, esse mesmo.

Os media foram ainda agitados com a venda da Controlinvest (DN, JN, TSF, O Jogo) a um grupo angolano. Não se conhecem muitos pormenores do negócio.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Regresso à competição

Finalmente acabou o interregno forçado pela jornada dupla da selecção, que infelizmente apenas "rendeu" um ponto. Regressam as competições nacionais e o nosso Benfica.

O Benfica joga hoje às 20.15h contra o Freamunde para a Taça de Portugal.
É uma competição que, infelizmente, não ganhamos há muitos anos, em parte por nem sempre termos encarado os jogos com a seriedade exigida. Jorge Jesus declarou querer estar no Jamor. Todos queremos.

De acordo com "A Bola" o 11 inicial poderá ser: Paulo Lopes, André Almeida, Jardel, Miguel Vítor, Luisinho, Matic, Ola John, Bruno César, Nolito, Lima e Cardozo.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Esclarecimento - a entrevista de Rangel

Rui Rangel deu hoje uma entrevista que, por razões profissionais, não pude ver.
Li já porém em vários blogs que a entrevista terá sido fraquinha.
Rangel terá manifestado alguma impreparação e sido evasivo. Mas, repito, não vi, pelo que não me quero alargar.
Queria, isso sim, esclarecer que o meu anterior post se referia ao discurso de Rangel na apresentação da sua candidatura e não à entrevista desta noite (quarta-feira).
De qualquer modo, reitero o meu apelo: que existam debates e que se discutam ideias. E defendo também que a Benfica TV deveria ser o canal privilegiado para, com isenção como se exige, promover esses debates.

Venham os debates

Ouvi com interesse o Juiz Rui Rangel e gostei da maioria do que disse. Penso que todos podemos concordar com a maioria do teor do seu discurso. É porém ainda vago e fica a faltar o mais importante que é concretizar em propostas de rumo o que contém em termos de ideias e objectivos. Todos queremos um Benfica ganhador, gerido apenas por benfiquistas.
A este propósito devo aliás dizer que fiquei muito agradado com alguns dos nomes que ouvi, desde Paulo Pitta e Cunha ao neto de Borges Coutinho (o sangue está lá, falta ver o resto) a Arrobas da Silva e outros.
A questão porém é como é que chegamos às vitórias, face a um sistema montado, oleado, impune e implacável. Temo portanto que Rui Rangel, no caso de vencer, tivesse vida difícil para lidar com o mundo sujo dos bastidores do futebol.
Por outro lado, ele é juiz e isso pode ser uma mais valia quando se quer combater um sistema que é manifestamente corrupto - seja através de subornos, favores, troca de influências, situações de monopólio, dinheiros mal explicados, etc.

Quanto a Vieira, com todos os erros que cometeu, dá um mínimo de garantias em matéria de estabilidade e boa gestão. É a velha história do copo meio cheio ou meio vazio. Por um lado, Vieira, com tempo que tem no Benfica e no futebol, não cai à primeira rasteira do sistema, no sentido de ser completamente trucidado por ele. Rui Gomes da Silva, tão criticado por alguns, já por mais do que uma vez denunciou, com todas as letras e com os nomes, o que se vem passando em termos de arbitragem e sobrevivênvia do sistema. Por outro lado, Vieira e a sua direcção já cometeram erros grosseiros e de consequências bem graves como o do apoio a Fernando Gomes ou o anúncio feito na época passada de que o Benfica "não fala de árbitros". Vieira aprendeu a lição? Está por provar.

A propósito das eleições para a Federação permitam-me aliás um à parte sobre o que disse Seara há dois dias e que não teve muita repercussão. Fernando Seara disse que não avançou com a candidatura porque o Sporting só a apoiava se ele, Seara, "entregasse a cabeça de Luis Duque numa bandeja".

Desculpe?

Não consigo entender. O que tem o Presidente da Federação a ver com a política interna do Sporting? O que significa entregar a cabeça de Duque numa bandeja?

E, acima de tudo, como pode Seara sacrificar os seus interesses, neste caso coincidentes com os do Benfica, deixando o caminho da presidência da Federação aberto para um portista, por causa de um assunto interno do Sporting?

Seara foi levado, tal como, por arrastamento o Benfica e a credibilidade do futebol português. Xistras, Sousas e afins sentiram de novo que o poder estava no Porto (como quase sempre nos últimos 30 anos) pelo que continuam a fazer o que se vê. Seara faz-se demasiadamente ingénuo para poder ser verdade. E pelos vistos, o Benfica aparece muito abaixo na sua escala de prioridades. Com benfiquistas destes não vamos longe.

Voltando às eleições e concluíndo, creio que o esclarecimento dos benfiquistas acerca das propostas e das figuras que as vão representar depende em muito da possibilidade de se fazer um debate sério e sobre os temas. Não vale a pena fazer declarações de que se é mais benfiquista que os outros ou acenar com o fantasma de Vale e Azevedo. Não há nenhum Vale e Azevedo a concorrer. Há Rangel e Vieira. E era bom que debatessem, com seriedade e elevação, o futuro do Benfica. A notícia, posta a circular, de que Vieira recusa debates, seria um sinal muito negativo. E acredito que poderia levar muitos benfiquistas a decidir o seu sentido de voto. Não pelas razões certas - como aconteceria se houvesse debate substancial - mas por razões ainda assim compreensíveis. Não se poderia deixar de tirar ilações de uma postura de recusa de debate.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Nem o futebol nos vale...

Mal Paulo Bento.
Elogiei-o muito no Europeu mas penso que não tem estado bem ultimamente.
Os principais erros que lhe aponto estão na convocatória: custa entender porque não foi Eliseu convocado depois da lesão de Coentrão. Ainda por cima a justificação de Bento foi péssima - a lembrar um erro de Eliseu no jogo contra a Dinamarca e a desvalorizar os golos que o jogador marcou na Champions League, mas, pior ainda, Paulo Bento disse que Eliseu era um lateral adaptado. Sim? E Coentrão?
A verdade é que Miguel Lopes não se adaptou à posição esquerda e contribuiu para o desacerto da equipa.
Tal como Ruben Micael. Exibição demasiado má. Custa a perceber porque não foi Carlos Martins convocado. Não pode ser por não jogar regularmente no Benfica, pois Miguel Lopes e Coentrão não são titulares nas suas equipas.
Como não se entende a não aposta em Nélson Oliveira, que sempre que chamado a jogar correspondeu. Hélder Postiga não tem presença suficiente na área, sobretudo quando joga sozinho contra equipas que se acantonam atrás. Tadeia apontou muito bem durante o jogo este problema, sobretudo porque Ronaldo, principalmente na 1ª parte, esteve demasiado colado à linha lateral.
A má forma e as más opções dos nossos jogadores foi esta noite demasiado evidente. O que se passará?
Nada está (definitivamente) perdido mas a verdade é que a partir deste comprometedor empate ficamos numa posição muito perigosa.
Gostei das últimas substituições de Bento, a arriscar tirar Micael e depois João Pereira mas como se viu já foi demasiado tarde.
Esperemos que este apuramento ainda se endireite. Seria muito triste não nos apurarmos para um Mundial no Brasil.

O país está triste e deprimido mas neste momento infelizmente nem o futebol nos vale.

Porque será?

Para eles, jogadores e comentadores de serviço do clube do Porto, tudo está bem com a arbitragem. Onde há problemas é nos outros clubes. E eles, como nossos amigos que são, querem-nos alertar para isso, para esses "problemas" que existem no Benfica - e agora no Sporting.

É curioso que do Sporting nunca se tinha ouvido nada até há bem pouco tempo. Portistas e sportinguistas (Aguiar e Ferreira, Guedes e Oliveira Costa) semana após semana entendiam-se às mil maravilhas, nunca havendo qualquer discordância. Mas afinal a gestão do Sporting é má!

Parece que foi a exibição de Jorge Sousa no estádio do dragão que acordou os portistas para esta realidade.

Há umas semanas tinha sido Xistra a mostrar aos portistas como afinal as contas do Benfica eram gravíssimas...

Curioso este papel dos árbitros portugueses de despertarem as consciências adormecidas para os reais problemas de gestão dos clubes. Porventura até lhes deveríamos estar agradecidos... É mais uma originalidade do futebol português!

O vosso discurso, meus vígaros, é para enganar tolos.

Aqui ficam algumas pérolas:

"«Todos os anos eles tentam apanhar-nos com acusações na comunicação social. Dentro do campo não têm conseguido. Isso só nos dá mais força», sublinha Maicon, um dos elementos de maior preponderância na esfera azul e branca".

Este é o tal que marcou um golo dois metros em fora de jogo, o que lhe dá bastante autoridade para falar de arbitragens...

"O brasileiro foi mais longe e destacou a supremacia do F.C. Porto «ao longo dos últimos anos». «Os números são esclarecedores: somos os melhores. Perdemos só um jogo para a Liga nos últimos dois anos. Somos superiores, mas humildes. Temos mostrado um nível muito forte»."

"Para Maicon, o setor de arbitragem está, portanto, longe de ser um órgão de polémica. «Para nós está tudo bem. Só me preocupo com o nosso trabalho»". Pudera! Claro que está tudo bem! Quando os árbitros os deixam fazer o que querem... Curioso também que dias depois de fazer este discurso tenha tido uma exibição para recordar em Vila do Conde.

Lucho (ainda assim um desportista que me merece respeito e que não confundo com outros) também sentiu necessidade de falar no assunto:
«Nunca falei de árbitros e não vou falar. São pessoas como nós. Hoje em dia é mais fácil,para não assumir as culpas, atirá-las para os árbitros. O futebol é um desporto muito lindo, um espetáculo, mas acaba-se sempre a falar de árbitros. Eles cometem erros como nós. Seria bom que se deixasse de falar tanto de árbitros.»

Para completar o ramalhete apareceu também Vitor Baía, que tem um interessante historial de casos de arbitragem em jogos contra o Benfica, nomeadamente (arrisco-me a classificar) um dos casos mais escandalosos do futebol mundial, que mostro no vídeo abaixo; apareceu Vitor Baía, dizia, a considerar que afinal no final as "contas equilibram-se" e "os árbitros erram para os dois lados, não influenciando o desfecho das provas".



Porque será que só um clube sente que não há problemas na arbitragem?

Desafio a Vitor Pereira

O sistema está podre e, mais cedo ou mais tarde, cairá - mas cabe ao Benfica dar o abanão que o provoque.

Nada se pode aguentar para lá de um certo ponto crítico. Quando o equilíbrio é quebrado, uma estrutura entra em ruptura e colapsa.

O ponto crítico foi o campeonato falsificado da época passada. A ruptura poderá acontecer esta época: com a nota dada a Xistra, depois da inqualificável arbitragem de Coimbra, o sistema expôs-se para além do imaginável, mostrando que árbitros e observadores, com a conivência de Vitor Pereira, fazem parte do mesmo arranjinho.

Depois de formular o meu apelo ao universo da blogosfera e a todos os benfiquistas, para que o nosso clube rompa definitiva e irreversivelmente com o estado de falsificação do futebol português, deixarei com regularidade sugestões.

À boleia da queixa dos árbitros ofendidos deixarei aqui a primeira dessas sugestões. Mas antes uma palavra sobre a honorabilidade dos árbitros. Já o disse antes: grande parte dos árbitros não são sérios nem decentes. Se depois da corrupção provada e conhecida do país inteiro através do escândalo do Apito Dourado só um ou outro sairam e os dirigentes (o tal "Antonino") se mantêm, como se podia esperar que algo mudasse.

Na altura FICOU PROVADO QUE MUITOS ÁRBITROS ERAM CORRUPTOS. E os que não foram corrompidos não deixavam de ser coniventes com uma realidade que não podiam desconhecer. Aliás o próprio Vítor Pereira já admitiu que "tinha que trabalhar com estes". Por isso, esta conversa da ofensa e da honorabilidade posta em causa é uma farsa para atirar areia para os olhos dos ingénuos. Estes senhores deviam ter vergonha. Mas não têm e por isso aqui fica a minha sugestão.

O Presidente do Benfica - e os adeptos e comentadores já agora - devem EXIGIR a Vítor Pereira, o da arbitragem, que explique porque só nomeia para os jogos fora do Benfica os seguintes árbitros: Pedro Proença, João Capela, Olegário Benquerença e Carlos Xistra. E que o desafie a nomeá-los para o Estádio da Luz. Peça, solicite tal nomeação e quando ela não se verificar (porque eles sabem bem até onde podem ir e não têm coragem de fazer na nossa casa o que fazem fora), EXIJA uma explicação, Presidente LFV. Porque é que isto é assim? Porque nos aparecem estes árbitros sempre em jogos fora, onde potencialmente se antecipa que podemos perder pontos?

E aos sócios e adeptos do Benfica faço um apelo: se alguma vez um destes árbitros voltar a pisar o relvado da Luz (algo que considero de uma improbabilidade extrema, mas ainda assim) que não esqueçam o que eles nos fizeram e que, de forma ordeira e civilizada, exprimam toda a justa revolta.

A "escola" Tadeia

Ainda me lembro das primeiras transmissões de jogos com comentários de António Tadeia. Creio que surgiram na TVI em jogos da Liga Espanhola que na altura começaram a passar cá em Portugal.
Tadeia distinguia-se do cinzentismo dos comentadores da RTP (Gabriel Alves tinha sido reformado à força...) com comentários pouco habituais e com a enumeração de diversos dados sobre os futebolistas e o histórico dos clubes em disputa. Parecia uma enciclopédia de futebol, que surpreendia também pela forma ligeira e muitas vezes certeira como comentava vários aspectos do jogo, não temendo comprometer-se com a sua análise. Simultaneamente exibia sempre um tom calmo, de quem está habituado a dominar emoções fortes.
Com o tempo, Tadeia fez escola e entretanto o seu próprio estilo foi-se alterando um pouco.
Hoje todos nós vemos futebol internacional e conhecemos os jogadores, pelo que os factos de Tadeia foram-se tornando ou redundantes ou irrelevantes. Por outro lado, o seu estilo e o seu género de comentário foram copiados ou pelo menos inspiraram muitos comentadores que agora estão no activo (e que aparecem até mais do que o próprio Tadeia) pelo que já não nos parecem tão originais. Acresce que as "previsões" de Tadeia ultimamente não têm sido tão acertadas. "Prevê" um golo nos minutos seguintes e ele não acontece...
Caricaturando, o estilo Tadeia distingue-se hoje por ser o daquele comentador que, enquanto a bola está prestes a passar a linha de golo, fala alegremente de um outro assunto (a carreira de um certo jogador ou os jogos que determinado árbitro apitou), deixando-se apenas interromper pelo relato do golo muito a contragosto. Mas, logo uns segundos depois, volta à sua história que é o que realmente lhe interessa: "sim, foi um bom golo, mas como eu dizia...".
Creio porém que, fazendo-lhe justiça, Tadeia foi importante para o comentário dos jogos em Portugal que, nivelado por baixo graças à RTP mas também à pobre qualidade do da SIC, era até ele, Tadeia, sempre muito "redondo", com os comentadores a dizerem sempre que "sim mas também...", "por outro lado" e a nunca assumirem de facto uma análise ou uma previsão sobre o jogo. Isto para além da suas leituras do jogo serem pobres tal como o seu grau de conhecimento do desporto. Tadeia contribuiu muito para criar um novo patamar de exigência e deve ser reconhecido por isso.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Portugal como o Benfica

Portugal perdeu com a Rússia e o jogo fez-me lembrar muitos jogos do Benfica: uma equipa a dominar o jogo em todas as suas vertentes, a criar oportunidades, a ter muitos cantos, uma posse de bola esmagadora e ver a outra, praticamente na única vez que faz um ataque perigoso marcar e colocar-se em vantagem.

Só há uma parte do sentimento futebolístico que os portugueses não benfiquistas não partilharam conosco: é que, ao contrário dos nossos jogos, neste jogo não houve casos de arbitragem. É curioso que desta vez não se tenha ouvido o que sempre nos é dito, a saber que se fizessemos o que devíamos teríamos ganho o jogo. Não se ouviu e note-se que eu acho bem que não se tenha ouvido. A sorte faz realmente parte do jogo, ao contrário do que tantas vezes é dito pelo "futebolisticamente correcto" deste país. Tal como a arbitragem...

Voltando ao que se passou na sexta-feira, depois de marcar a Rússia fechou-se bem atrás e contando com a chuva e o mau terreno de jogo (não devia ser permitido jogar em sintéticos a este nível) aguentou-se sem sofrer golos. Numa história já tantas vezes vista em inúmeros campos de futebol, no fim, face ao balanceamento atacante de Portugal e ao desânimo que se começou a apossar da equipa, a Rússia até podia ter feito um segundo golo. Seria demasiado injusto porém. Assim foi injusto.
Portugal perdeu o jogo teoricamente mais difícil mas naturalmente que se mantém na corrida e com todas as condições para conseguir o apuramento directo. Tem agora menos margem de manobra e nessa medida não pode de forma alguma facilitar contra a Irlanda do Norte.
Se também neste aspecto se assemelhar ao Benfica, jogando em casa contra uma equipa mais fraca tem à partida condições para golear.

Um último aspecto: não concordo com as conversas de que "temos o melhor do mundo", a servirem de capas a jornais na véspera de jogos. Não vejo o que possam adiantar e temo que possam contribuir para aumentar ainda mais a pressão sobre Ronaldo, que é obviamente excepcional mas não pode fazer tudo sozinho. Isso vê-se nas prestações da Argentina dos últimos anos. Só como equipa podemos ganhar, de nada servindo insuflar egos.