sábado, 26 de janeiro de 2013

Uma "meia final"

Não é muito provável, mas em teoria é possível o Benfica e o Porto chegarem à penúltima jornada em igualdade pontual. Em tais circunstâncias, o jogo seria uma verdadeira final: a vitória de uma das equipas imediatamente significaria a conquista do campeonato.
É que essa equipa não apenas ficaria com uma vantagem de 3 pontos como com vantagem no confronto directo, com apenas 3 pontos por disputar. Seria portanto imediatamente campeã.
Ora seguindo esta mesma lógica e tendo em conta o desequilíbrio entre os dois primeiros e os restantes clubes (no caso do Benfica, um desequilíbrio real, resultante da qualidade do nosso futebol, no outro caso um desequilíbrio facilitado e promovido pelas arbitragens), cada candidato ao título terá uma deslocação particularmente difícil, a que chamaremos, nesta analogia, de meia-final.
No caso do Benfica, essa deslocação acontece dentro de 4 horas.
Em circunstâncias "normais", o Benfica estaria numa posição francamente favorável para ganhar, pois joga melhor, tem melhores jogadores e melhor equipa, está num momento muito melhor que o Braga. Este está fragilizado pelas eliminações das competições europeias e da Taça de Portugal, bem como pela ausência de vários jogadores (num caso em resultado de uma expulsão injusta, que ainda assim não justificava de modo nenhum as aleivosias proferidas pelo seu presidente).
De qualquer modo, isto é futebol e nunca há vencedores antecipados, muito menos em jogos equilibrados.
Para além disso, há factores "anormais": quando o Benfica joga em Braga passam-se sempre coisas estranhas", já disse Artur e agora mais recentemente Bruno César. São as luzes que se apagam, são as "cuspidelas" de Di Maria a justificarem batalhas campais em que os nossos jogadores e treinadores são agredidos e ainda por cima expulsos, são as "agressões" de Javi Garcia a reduzirem-nos a 10, são as agressões reais de Djamal e Alan a merecerem apenas cartões amarelos, são enfim, os "penalties" de Emerson, os penalties existentes não marcados a nosso favor e os golos anulados por razões misteriosas.
Seria já isso que tinha em mente o tal presidente quando veio reproduzir o discurso mentiroso, o discurso ignóbil daqueles que o roubam sem ele se importar.
Face a tudo isto, o Benfica terá mais uma vez que estar ao seu mais alto nível para trazer os 3 pontos de que precisamos. Será uma meia final. Com o apoio dos nossos adeptos do Norte do País e com a determinação dos nossos jogadores e a capacidade dos nossos treinadores, estando no nosso melhor, estamos em condições de o alcançar.
Precisamos dos nossos em grande plano, para, nomeadamente de Gaitan, Cardozo, Lima e quem sabe Aimar, poderem resolver na frente.
Daqui até à penúltima jornada, só temos um caminho: ganhar. Vamos a isso.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Quando a indecência é virtude

Proença vence todos os prémios e obtem todos os reconhecimentos da arbitragem.
Às vezes pergunto-me, incrédulo: Isto é mesmo verdade ou estão a gozar connosco?
Estarei a sonhar?
É que, clubismos à parte, há que admitir que as decisões sobre os lances são sempre discutíveis, não são de forma nenhuma operações matemáticas cuja verificação seja possível. Até mesmo a verificação do fora de jogo, a única situação que é realmente objectiva, depende do momento em que se pára a imagem, da correcção da linha paralela, do local onde esta é colocado (e uma deslocação de um ou outro centímetro na televisão para um lado ou outro equivale a cerca de meio metro no campo). Basta ver todos os programas de discussão futebolística para perceber que isto não é uma ciência exacta.
Sobre os cartões então nem vale a pena falar.

Ora o que é indiscutível é que PROENÇA decide SEMPRE a favor do Porto (a única excepção de que me lembro em anos de futebol é a bola na mão de Cardozo no ano passado no jogo da Luz, em que foi óbvio que o jogador nem sequer percebeu onde a bola estava, mas que evidentemente os portistas se usam como bóia de salvação para negar algo que é evidente). Em 20 lances, Proença decide em 19 a favor do Porto.
Já no tocante ao Benfica, Proença decide invariavelmente (nos lances de dúvida, claro) CONTRA o Benfica - trate-se de penalties ou decisões disciplinares.

Ora sendo isto absolutamente evidente, como é possível que se continue a fazer elogios, encómios, odes a este árbitro em toda a imprensa?

Será pelo gel no cabelo? Será pelo ar sempre muito arranjadinho e seguro de si mesmo?

As arbitragens de Proença, nos jogos do Benfica e do Porto (e também nos do Sporting, diga-se, como bem atesta a arbitragem que eliminou o Nacional da Madeira e colocou o Sporting na final da Taça do ano passado, com um penalty de rir, entre outras decisões disparatadas ou talvez não) são pura e simplesmente DEPLORÁVEIS.

Dizer que Pedro PROENÇA é o melhor árbitro é simplesmente UMA AFRONTA A TODOS OS que prezam a verdade DESPORTIVA!

Porque Proença objectivamente adultera constantemente esta verdade com as suas decisões, influindo no desfecho dos jogos.

Há quem garanta que Proença é intrinsecamente um homem sério. Mas bom, a seriedade afere-se pelas acções e não por um qualquer juízo abstracto. Proença é sério e, por ser benfiquista, prejudica o "seu" clube para "provar" essa seriedade? Esse argumento é demasiado ridículo para ser levado a sério. Ao fim destes anos Proença já deveria ter percebido (se fosse esse o caso) que isso estava a acontecer e corrigir tal comportamento. Não o fazendo, é simples: não tem condições para apitar.


Aquilo que acontece é de facto indecente. Proença não tem pejo em sistematicamente, à frente de milhões de espectadores favorecer constantemente o Porto. E este clube - DESDE O PRESIDENTE AOS JOGADORES, PASSANDO PELO TREINADOR - NÃO se coibe de perante os mesmos milhões APELAR A QUE ELE ARBITRE OS SEUS JOGOS MAIS IMPORTANTES!!!

ISTO SÓ EM PORTUGAL!!!

EM NENHUM PAÍS DO MUNDO VI EU ALGUMA VEZ SEREM PEDIDOS ÁRBITROS EM PÚBLICO!!! JÁ SABÍAMOS QUE O FAZIAM ÀS ESCONDIDAS, GRAÇAS às escutas, agora passaram a fazê-lo às claras, tal a desvergonha e sentido de completa impunidade.

E o que dizer de uma imprensa que não apenas não denuncia esta autêntica vergonha como ainda a branqueia sempre que consegue, constantemente exaltando os "feitos" internacionais de Proença (sabe Deus como, porque para mim as "glórias" com que o têm coberto são de todo inexplicáveis, a não ser que se valorize a imagem exterior e o tal aspecto) como se tais feitos provassem que afinal as queixas do Benfica são desprovidas de fundamento? Basta realmente dizer isto: tal imprensa é sabuja, é bajuladora, não tem capacidade crítica, não tem capacidade de análise e, pior ainda, não é séria.

Estamos mal, estamos muito mal.

Quanto ao nosso Benfica tem que continuar a dizer a verdade, a denunciar esta farsa - porque é de uma verdadeira farsa que se trata, onde todos fingem não ver o que está à frente dos olhos - e tem que explicar claramente aos seus atletas que esta farsa existe, simultaneamente dizendo-lhes que continuem fazendo como até aqui: jogando bem, com confiança, com convicção, com raça, não se deixando afectar pelas arbitragens, antes delas retirando motivação extra e sabendo acima de tudo uma coisa - AS NOSSAS VITÓRIAS SÃO REAIS. Ao contrário de um outro, elas não se cozinham com xistras ou proenças, nem têm sabor a café com leite ou a fruta.

ADENDA: comparem as reacções (?) dos responsáveis do Vitória em relação à arbitragem deste Setúbal-Porto (em que o primeiro golo surge de um penalty duvidoso e o 2º e 3º apenas nos últimos minutos depois de duas expulsões patéticas e injustificadas dos seus jogadores) com o que esses mesmos responsáveis disseram (responsabilizando quase exclusivamente o árbitro pela sua derrota) depois de perder com o Benfica por... 0-5. Façam essa comparação e depois digam-me se sou eu que ando a ver coisas onde elas não existem.
2ª ADENDA: o Presidente do Vitória acabou por realmente reagir, mas apenas depos de Proença chamar "energúmenos" (!) aos adeptos do clube que o contestaram após a partida. Ainda assim foi bastante timorato, dizendo apenas que se fosse ao contrário não havia penalty nem expulsão e não fazendo a relação directa entre esses factos e o desfecho da partida. Sublinhou também, em relação a Pinto da Costa, que «Assistimos ao jogo e só comentámos no fim. Ficam as boas relações que temos com o FC Porto, como temos com Sporting e Benfica. Alias, o Vitória é dos poucos clubes que se pode gabar de ter boas relações com todos os clubes portugueses». Com uns melhores do que com outros, acrescento eu.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Porto pede ajuda aos árbitros

Será que algo já não é o que era no reino do dragon? É que antigamente manobras como as das últimas semanas eram feitas discretamente, nos bastidores, manipulando certos cordelinhos. Nós sabemos que ainda há muita gente a operar nesses meandros a mando do Porto (os tais Antoninos e Craveiros) mas pelos vistos isso não está a chegar.
Após o jogo do Benfica eu disse que não iria comentar as declarações do treinador do clube do Porto. A linguagem foi de tal calibre e a provocação era de tal forma evidente que eu optei por não qualificar e não comentar sob pena de me vir a arrepender do que pudesse escrever.
Mas, muito mais importante do que isso, foi o facto do treinador e dos jogadores do Benfica também não se terem deixado afectar por aquelas palavras e permanecerem concentrados unica e exclusivamente nos seus jogos e nos objectivos que, com o nosso apoio, perseguem.
Ora, percebendo que a sua estratégia de procurar distorcer o que aconteceu e manipular as pessoas não está a resultar (o público já se começa a cansar de tanta mentira portista), o clube do Porto agora optou por uma outra, menos subtil, mais directa: apelar aos árbitros para prejudicarem o Benfica, para expulsarem os jogadores do Benfica mesmo sem nenhuma razão, apenas porque são bons e porque se percebe que 11 contra 11 não é fácil bater este Benfica.

Mais uma vez digo, ignoremos mas mantenhamo-nos em alerta contra qualquer manobra arbitral. Não entramos em jogo sujo mas não podemos ser os patinhos. Já chega, já cansa de tanto sistema, de tanto colo. Eles não têm mesmo vergonha nenhuma!

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Missão cumprida com distinção

Moreirense-0 Benfica-2

Sálvio 48'. Lima 71'


Boa exibição, segura, competente do Benfica, com um único deslize, logo nos primeiros segundos, que nos deu um calafrio.
De resto a equipa jogou como pode, na 1ª parte, face à exiguidade do espaço (perante um adversário muito recuado e num campo muito pequeno) e como sabe, na 2ª, com mais espaço e com o cansaço acumulado do adversário.
Lima confirmou o excelente momento que atravessa - como é bom ter 3 avançados de grande qualidade!
Agora temos finalmente alguns dias para recuperar (não há Taça nem Taça da Liga, nem ainda Liga Europa durante esta semana) e depois disso virá mais um jogo importante, com o Braga.
Boas finalizações dos nossos avançados e grande segurança da defesa, Artur incluído.
Excelente, como nos vem habituando, Matic.

O que conta são os resultados

Estamos em Janeiro e o mercado mexe. Não tanto como noutros tempos, porque a Europa do futebol sofre com a crise da respetiva economia. São agora outros os mercados a darem que falar, nomeadamente o das arábias, para onde Aimar e/ou Bruno César poderão estar de saída.
Se assim for, naturalmente que se espera que possa haver pelo menos uma entrada, uma vez que as soluções de meio campo / ligação com o ataque ficariam diminuídas.

Seja como for, importa que ninguém se distraia, ninguém abrande, ninguém facilite. Estas questões serão tratadas e certamente que os nossos dirigentes não estão distraídos e não deixam de compreender as necessidades e o grau de exigência que se coloca a um plantel que está em 4 frentes, com excelentes perspectivas de vitória em pelo menos 3 delas.

Concentremo-nos portanto em Moreira de Cónegos, onde enfrentaremos um adversário batalhador que procura escapar à despromoção e muito provavelmente um árbitro que estará atento a qualquer oportunidade de nos prejudicar.

Já sabemos que os nossos jogadores não podem fazer entradas como a de Mangala no passado sábado, ou certamente será assinalado penalty contra o Benfica. Também sabemos que entradas piores do que a de Aimar o ano passado em Olhão serão merecedoras, na melhor das hipóteses, de amarelos para os nossos adversários. Por outro lado, qualquer desatenção dos nossos jogadores será certamente "premiada" com um cartão vermelho.

Concentração, rigor, competência e objectividade é que o se pede à nossa equipa daqui a menos de duas horas. São mais 3 pontos que importa assegurar na caminhada para o título.

Os cães já começaram a ladrar, respondendo à voz do dono. Cabe-nos avançar a nossa caravana.