sexta-feira, 14 de março de 2014

Categórico e com classe

O Benfica fez ontem umas das melhores exibições europeias do passado recente e venceu de uma forma categórica, cheia de classe, um adversário de grande valia.


Tal como acontece sempre, alguns comentadores e observadores da realidade futebolística apressaram-se a desvalorizar o Tottenham (que deixou de ser uma grande equipa que nos ia criar grandes problemas para passar a ser uma equipa banal) ou a encontrar em episódios laterais motivos para desviar atenções ou apoucar a vitória.


A realidade é que o Benfica, a jogar fora perante um estádio lotado e vibrante de apoio à equipa inglesa, dominou por completo o seu adversário e silenciou os adeptos da casa, podendo até ter vencido por números mais expressivos. O Benfica, jogando contra uma equipa que tem jogadores consagrados, de classe e com bastante poder físico, habituada a jogos grandes, impôs por completo o seu futebol quase desde o primeiro minuto, ganhou quase todos os duelos, fez belíssimas jogadas e marcou três belíssimos golos. 

O que dizer da exibição de Luisão? Foi simplesmente perfeito. Tal como João Pinto teve nota 10 d' "A Bola" no célebre 6-3 em Alvalade, Luisão mereceu ontem igualmente nota 10 porque foi exímio a defender (o único golo do Tottenham surge de um remate à baliza num livre) e ainda fez dois belos golos, o segundo então verdadeiramente espectacular.

Outros houve que estiveram igualmente muito bem, como Fedja (mais uma vez), Rúben Amorim (excelente o passe para Rodrigo no 1º golo), este último e não apenas pelo golo, Siqueira, e em geral toda a equipa. Foi uma excelente exibição colectiva do Benfica.

Em relação aos faits divers, já todos sabemos como Jorge Jesus é. Aparentemente o treinador do Tottenham terá aberto as hostilidades, não sabemos se de forma arrogante ou não, mas o que é certo é que recebeu o seu troco. Naturalmente que Jorge Jesus escusava de fazer aquele gesto mas eu que eu não farei aqui é pretender que isso foi a coisa mais importante que aconteceu no jogo de ontem. Picardias daquelas ou parecidas existem em quase todos os jogos (Rui Santos, que entre os vários comentadores é dos que mantém mais discernimento e independência, assinalou aliás e bem que Mourinho já tem tido comportamentos semelhantes).

Em suma e voltando ao futebol dentro das 4 linhas, a exibição foi excelente e a rotatividade verificou-se, embora não em tanta extensão como no passado. Fiquei satisfeito por Sulejmani (jogador com muita qualidade, que aprecio e com o qual simpatizo) e Cardozo terem jogado, tal como Rúben, que aliás estará novamente no 11 na segunda-feira salvo qualquer imprevisto, e Sílvio.

Nos próximos jogos (excluindo evidentemente o jogo com o Nacional) seria importante Jorge Jesus dar algum descanso a Luisão, Siqueira e Rodrigo. Todos desejamos que a excelente condição física que a equipa demonstra se possa manter até ao fim da época. 

Uma última palavra para os comentários ao jogo, quer durante o mesmo, quer após. Não se percebe de facto qual o problema de alguns comentadores, mas seja ele qual fôr deveriam resolvê-lo antes de falar em directo na televisão pois caso contrário perdem toda a credibilidade que poderiam ter. Os comentários em directo falavam de uma entrada muito forte e de um domínio do Tottenham que eu sinceramente nunca vi. Os comentários após, nomeadamente os do inefável Ribeiro Cristovão, procuravam por todos os meios referir-se apenas ao que de mal aconteceu, chegando ao ponto de criticar as declarações de Rúben Amorim! Oh homem vá-se tratar!




quinta-feira, 13 de março de 2014

A Europa secundária

O Benfica joga hoje uma partida importante de uma competição este ano duplamente secundária: secundária porque é o é de facto em relação à Liga dos Campeões que, com a final este ano na Luz foi no início da época um objectivo (ou um sonho) e secundária porque tem que ser secundarizada face aquele que é neste momento o grande objectivo: recuperar o título de Campeão Nacional.

Não temos escrito muito e a própria blogosfera tem estado muito calma, o que é um bom sinal. É sinal de que os benfiquistas andam contentes com o rendimento da equipa e que se identificam com a forma como as coisas têm sido geridas.


Nomeadamente esta ideia de que a Liga Europa tem que estar subordinada ao campeonato, que tanto defendemos - e continuaremos a defender independentemente do resultado do jogo de hoje e da eliminatória - foi assumida pelo departamento de futebol do Benfica, nomeadamente por JJ que é quem decide quem joga.


Se as coisas por acaso correrem menos bem já sabemos que virão inúmeros comentadores, com o sportinguista Ribeiro Cristóvão à cabeça, o SPortonguista Freitas Lobo logo a seguir e os benfiquistas (?) David Borges, Joaquim Rita e Jorge Baptista atrás, lançando toda a espécie de críticas e invectivas a Jorge Jesus. Este último (Jorge Baptista) aliás acha que Jorge Jesus é um ignorante que só ganha porque tem os melhores jogadores e plantéis. 


Mas estes mesmos comentadores, se porventura apostassemos nos habituais titulares, passassemos a eliminatória e, com más arbitragens e a equipa desgastada, viessemos a perder o campeonato novamente no dragão, seriam os primeiros a culpar Jorge Jesus por ter mais olhos que barriga.


O nosso juízo tem pois que ser feito de acordo com prioridades estabelecidas e gestão da condição dos jogadores. Isso está a ser muito bem feito e deve continuar hoje, repito, independentemente do resultado.


Obviamente que desejo passar a eliminatória e se possível até ganhar já hoje e praticamente resolver a eliminatória. Mas desejo-o NÃO COMPROMETENDO OS JOGOS FUNDAMENTAIS QUE AÍ VÊM, designadamente as deslocações à Choupana e a Braga nas quais se o Benfica conseguir fazer 6 pontos (vencendo igualmente a jornada entre elas, na Luz contra a Académica) será seguramente campeão.

Entretanto o jogo de hoje será obviamente difícil pois o Tottenham tem bons jogadores e irá apostar tudo nesta competição, agora que as coisas no campeonato não lhe estão a correr bem. Este jogo aliás é quase de "vida ou morte" para o futuro do treinador e de alguns jogadores no clube. 

Ainda em relação à Liga Europa não posso deixar de referir que os profissionais do Porto, nomeadamente Quaresma e o treinador deveriam ter mais calma (em geral e especialmente no que concerne a esta eliminatória). O jogador do Porto, cuja qualidade indiscutível tem ajudado a sua equipa mas cujo temperamento o deixa ficar mal muitas vezes, disse que "quem vier cai" e que "em nossa casa mandamos nós", ao passo que o treinador disse que o Porto era "favorito à conquista da Liga Europa". Deveriam ter calma, sendo até um pouco ridículo Quaresma dizer que em casa "mandam" quando ainda não ganharam um jogo europeu em casa esta época. Quanto a Luis Castro, ou muito me engano ou esse "favoritismo" durará apenas até às 18.00h. Ou muito me engano ou o Nápoles (equipa fortíssima) não dará qualquer tipo de hipótese ao Porto nesta eliminatória.