segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Perseverar no bom caminho

O Benfica conseguiu (mais) uma boa vitória e talvez a melhor exibição da época: segura, determinada, dominadora, com alguns períodos de bom futebol e três bolas aos postes para além dos três golos. Deu pouco espaço ao Guimarães que não dispôs de praticamente nenhuma oportunidade flagrante de golo. 

A vitória marca também um ano sem Eusébio e nessa medida foi igualmente mais um tributo e uma justa homenagem prestada ao King.

O Benfica tem feito as coisas bem, perante um cenário de previsível adversidade e grandes dificuldades que - até ao momento - não se têm manifestado. Tenho já insistido bastante (e não estou a dizer nada que não seja já sabido) que as saídas de pedras essenciais aumentaram as dificuldades e criaram um potencial de desestabilização. A aposta do Porto neste ano foi algo de inédito no futebol português, com um investimento milionário no seu plantel e a contratação de jogadores de grande qualidade. 

Por outro lado, não tenhamos dúvidas de que este Sporting é uma equipa ainda mais forte do que a do ano passado. Marco Silva é já, sem qualquer dúvida, um valor seguro. Um treinador que compreende muito bem o jogo e que manifesta bom senso apesar da juventude. Felizmente o Sporting perdeu muitos pontos na fase inicial pelo que a sua desvantagem será praticamente irrecuperável, mas a vitória de ontem já depois do último minuto de descontos mostra que eles não darão o campeonato por perdido até estarem matematicamente afastados do título.

Finalmente temos que estar preparados para as surpresas e armadilhas que tantas vezes nos lançam. Pinto da Costa e o seu Porto têm tentado de tudo nas últimas semanas para obter a ajuda e o favor dos árbitros com uma campanha sem escrúpulos e sem vergonha como já é habitual naquelas bandas. Por outro lado a inenarrável TVI24/mais futebol persiste no seu trilho pro-porto e anti-Benfica. Uma coisa que enjoa e chega ao ridículo: aqui há umas semanas, no golo de Lima contra o Belenenses Sousa Martins tentava à força encontrar faltas, ora fosse na cabeçada de Jardel ora na de Lima (que supostamente tinha sido com ... a mão!). É uma doença de que eles, coitados, não se conseguem libertar. Chega-se ao ridículo de serem os próprios fanáticos Eduardo Barroso e Manuel Serrão a dizerem que não há nada, pois dava ideia que a TVI iria passar as imagens ad infinutun, na esperança de que alguém descortinasse ali razões para dizer que o golo devia ter sido anulado e se passar o resto do programa a chorar e protestar pelo benefícios arbitrais de que o Benfica alegadamente beneficiaria. E quem diz esse jogo diz qualquer um do Benfica. Os nossos golos são para eles sempre "polémicos" ou duvidosos mesmo quando resultam de remates de fora da área.

Em síntese, nada está ganho e os perigos estão sempre à espreita.
Já na próxima jornada enfrentamos novo teste de elevado grau de dificuldade: o Marítimo nos Barreiros (derrota no jogo do ano passado). Seguidamente vamos a Paços, campo difícil sobretudo este ano que a equipa está a jogar um bom futebol. E depois da recepção ao Boavista iremos a Alvalade.

O calendário aperta e os nossos adversários sabem que este é o momento ideal para se aproximarem de nós na classificação. O Benfica precisa pois de continuar na actual senda e de encarar cada jogo com o máximo de seriedade. Enfim, o normal quando se quer campeão. Agora que um ou outro reforço poderiam ajudar, disso não tenho dúvidas. Fala-se de Muktar para o meio campo (jogador que desconheço em absoluto e que pelos vistos irá no imediato para a equipa B) e de um jovem avançado. Parece-me que nesta altura e com o campeonato a decorrer só jogadores com grandes rotinas e hábitos competitivos (para não dizer experientes) podem dar algo à equipa, trazer valor acrescentado. Veremos porém. Importante é mesmo manter o mesmo espírito competitivo e capacidade de entrega em todos os jogos.