segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Objectivo cumprido a caminho da primeira "final"

O Boavista quase não deu réplica ao Benfica tal a diferença de nível entre as equipas. Os 3-0 poderiam ter sido mais noutras circunstâncias. O importante era porém voltar a ganhar depois do deslize de Paços de Ferreira.

A propósito deste último e da grande exibição que foi fazer ao dragão, onde empatou por 5-0, devo dizer que só alguém muito desatento pode ter ficado surpreso. Não é preciso recordar o que se passou na última jornada do campeonato de há dois anos quando Josué comandou as tropas do Paços para perder o jogo contra a sua então futura (e actual ex) equipa. Paulo Fonseca foi um figurante nesse jogo que teve outro protagonista principal: Hugo Miguel que marcou penalty num lance em que James Rodrigues tropeçou em si próprio a um bom metro da área, expulsando o jogador do Paços na jogada. Eles são Porto. Para perceber o que se passou ontem bastava ter ouvido o programa "Grandes adeptos" na sua versão jogos dos grandes e ter ouvido a personalidade adepta do Paços: na realidade era um adepto do Porto encapotado, que sabia a história e o passado portista todo do jogador que por ter marcado um golo na semana passada ao Benfica se tornou no novo herói dos medíocres. Jogador que, pelos vistos, já tem contrato com o Porto para a próxima época (um Josué II). Podemos pois esperar que se levantem agora coros de indignação de todos os quadrantes, a começar nos repórteres na sala de imprensa e a acabar nos imbecis dos comentadores de programas da bola, clamando por um "atentado" à verdade desportiva. É que neste caso nem sequer é um jogador emprestado mas um jogador comprado. Mas é melhor esperarmos sentados. Desta vez não se falará de Estorilgate como não se falou há 15 dias de Penafielgate, como nós não falámos - ao contrário do que eles teriam feito - da originalidade de ter um 4º árbitro a assinalar penalties ao minuto 90. Não falámos porque de facto foi penalty e nós não gostamos de viver na mentira. Mas outros - canalhas sem coluna vertebral - ainda se permitem virar o caso ao contrário e dar este penalty - marcado - como exemplo da protecção dos árbitros ao Benfica por alegadamente o árbitro principal ter hesitado em o marcar. Como se alguém o tivesse obrigado! Esta é mais uma que entra para a história! Depois do golo que apesar de legal devia ter sido anulado pois o fiscal de linha de onde estava não podia ter visto (!) , agora é o penalty que apesar de ter sido marcado contra o Benfica ao minuto 90 demonstra como  os árbitros nos estão a levar ao colo. Repito, estamos perante uma canalha miserável e sem carácter!

Vem agora aí o grande derby. Será a primeira de duas finais. É evidente que o Benfica tem que pensar jogo a jogo mas não existem dúvidas de que estes dois jogos serão decisivos. Os nossos adversários precisam de ganhar os seus jogos contra nós para poderem aspirar ao título e se perderem ficam dele irremediavelmente afastados. 

O jogo com o Sporting será o mais difícil dos últimos anos. Há muito tempo que o Sporting não chegava a esta altura ainda com possibilidades de alcançar o título. Vem de uma sequência grande de vitórias, perdeu apenas um jogo no campeonato, empatou na Luz, ganhou no dragão para a taça e empatou para o campeonato e temos a noção de que é uma equipa competitiva em todos os jogos.  O balão da confiança está cheio como raramente esteve mas o seu treinador é um homem inteligente e com os pés bem assentes no chão. Antevejo um jogo muito difícil para o Benfica, no qual podemos ademais esperar ser prejudicados pela arbitragem. Há uma pressão diária do Sporting, do Porto e da comunicação social para que assim seja.

Só mesmo o melhor Benfica pode vencer o jogo em Alvalade. É verdade que o empate também pode ser um resultado válido (até porque Porto e Sporting ainda jogarão entre si) mas jogar para isso normalmente resulta em derrota. O Benfica terá que ser inteligente como foi no dragão mas fazendo bastante mais porque o Sporting nos vai colocar muitos problemas que o Porto não conseguiu. O nosso meio campo terá que estar muito forte, muito sereno e muito bem posicionado (e ter muito cuidado com os cartões) para que possamos controlar o jogo e marcar os seus ritmos. No ataque será precisa uma mobilidade e agressividade diferente do que se tem visto nos últimos jogos. Há que simplificar e ser muito objectivo. Jardel e Luisão terão que ter cuidado com os contactos dentro da área porque os avançados do Sporting vão passar o jogo à procura deles e ao mínimo pretexto o árbitro quererá assinalar penalties contra nós. 

Acredito que podemos conseguir o nosso objectivo se tivermos muita concentração, capacidade de trabalho e humildade quando o jogo exigir que cerremos fileiras atrás e defendamos a nossa baliza. Na frente precisamos de ser objectivos e letais, aproveitando todas as oportunidades para marcar. Precisamos de jogar sem medo, com confiança. 

Como digo acredito que é possível mas será muito difícil. Nesta fase temos muita coisa que corre contra nós. É bom que a equipa o entenda e que seja capaz de dar uma resposta à Benfica. Ganhando ao Sporting fica metade do trabalho feito. Este rival fica arredado da corrida. Fica depois a faltar o Porto. Mas do Lopetegui teremos tempo de tratar mais tarde.