quinta-feira, 12 de março de 2015

Um banho (gelado) de humildade

Aqui há uns anos disse-se que um treinador especial nunca perderia um jogo por 5-0. Penso que o próprio disse algo de semelhante. Pouco tempo depois a equipa desse treinador perdeu por 5-0 em Nou Camp.

Aqui há um ano o Benfica perdeu por 3-0 em Paris e caiu o Carmo e a Trindade. O que se disse do treinador do Benfica! Porque era inadmissível, porque isto, porque aquilo. Os cristovãos, borges e quejandos desta vida trataram de explicar que o treinador do Benfica não servia a este nível europeu.

Na época passada Mourinho tratou de mostrar desde bem cedo que não gostava de David Luiz (jogador campeão europeu no clube). Já depois da saída do brasileiro do clube voltou a fazer comentários pouco correctos sobre a sua venda.

Na antevisão do jogo de ontem, depois de uma primeira mão na qual o Chelsea foi vulgarizado, Mourinho optou por atacar o seu adversário com uma conversa ridícula sobre a agressividade dos parisienses. Certamente influenciado por isso, o árbitro expulsou Ibrahimovic num lance absolutamente normal, deixando o PSG a jogar com 10 desde os 30 ' de jogo. 

Pois bem, a jogar contra 10 desde a meia hora de jogo e tendo-se encontrado em vantagem no marcador sem fazer muito por isso, o Chelsea foi incapaz de criar uma oportunidade de golo. Banalizado pelo seu adversário, que acumulava boas jogadas e lances de perigo, o Chelsea viu a sua vantagem esfumar-se já perto do fim do jogo num cabeceamento fulminante de David Luiz. No prolongamento veio a machadada final num golo de Thiago Silva.

Absolutamente justo. Mourinho levou um banho gelado de humildade.

No fim as suas explicações (culpando os jogadores e até indiretamente o público, por alegadamente "não aceitar que o Chelsea controlasse o jogo", quando se devia ter culpado unica e exclusivamente a si por ter sido incapaz de tacticamente o fazer) foram bastante insatisfatórias.

A lição já estava dada mas David Luiz completou-a ainda ao pedir desculpa aos adeptos por ter festejado o golo e ao manifestar o seu respeito e carinho por eles. Lição de humildade.

terça-feira, 10 de março de 2015

Dever cumprido, venha o próximo

O Benfica venceu bem, sem espinhas, um jogo que começou por correr mal. Na primeira jogada que fez, o Arouca marcou, numa excelente execução do seu avançado. Diz-se agora que o Benfica quase nada fez na 1ª parte, mas deve-se reconhecer que foi quem assumiu as despesas do jogo, teve algumas oportunidades (uma das quais flagrantes) e que portanto o resultado ao intervalo era completamente enganador e injusto.

A 2ª parte porém foi completamente autoritária por parte do Benfica e o jogo poderia ter terminado em goleada. Foi uma excelente resposta dos nossos rapazes, depois de uma tremenda infelicidade como foi o tomar de um golo daquela forma. Saliente-se o bom momento de Lima que voltou a facturar e a trabalhar muito para a equipa. 

Era importante dar esta resposta (vencer e jogar bem) depois do Porto ter ultrapassado dois obstáculos teoricamente difíceis com relativa (ou bastante) facilidade.

Não deixa de ser assinalável a falta de empenho, atitude e agressividade quer do Sporting quer do Braga ao defrontarem o Porto (nesse aspecto reconheçamos que o Boavista foi completamente diferente e por isso mesmo foi o jogo mais difícil deste ciclo). Não vou ao ponto de afirmar que foi deliberado. Não acredito que o Sporting, por exemplo, tenha entrado em campo para facilitar a vida ao Porto. Agora é impossível não constatar e não salientar que a atitude dos jogadores não foi a melhor e que faltou vontade. O mesmo é válido em relação ao Braga. Aparentemente as relações entre os dois clubes são de tal ordem amigáveis que o clube de Salvador tem dificuldade em encarar os jogos com o espírito competitivo que se exige. Mas o que se diz dos jogadores pode-se dizer dos adeptos. O estádio esteve calado praticamente o tempo todo e pouco agressivo em relação aos visitantes e arbitragem. Em suma, tudo foi um passeio para o Porto.

Isto só reforça o que eu dizia há algum tempo atrás: o Benfica não podia contar com deslizes do Porto e tinha que vencer obrigatoriamente os seus jogos. Foi isso que aconteceu nas últimas jornadas e daqui para a frente terá que continuar, nomeadamente já no sábado frente ao Braga. Depois de duas derrotas para o campeonato e a Taça o Benfica e o seu treinador certamente terão aprendido a lição e todos estarão preparado para vencer e fazer uma boa exibição perante o seu público.

Quanto ao que ainda continuam a dizer os Guedes, os Tavares e outros dessa vidinha, não nos podemos esquecer que se tratam de batoteiros, de pessoas intelectualmente desonestas. Há muito que o demonstravam mas agora, face a um cenário no qual a superioridade do Benfica foi por demais evidente e onde ficaram por marcar dois penalties contra o Arouca, tentar apoucar a nossa vitória ou faze-la da dependente da expulsão (justa), desmascarara-os completamente: essa trupe não se queixa do Benfica ser beneficiado, queixa-se de o Benfica não ser prejudicado! É isso que eles queriam, como aconteceu durante 30 anos neste País. As suas declarações e postura relativamente a este fim de semana só demonstram pois que esta gente não pode ser levada a sério. Não merecem comentários, apenas ser ignorados.