quinta-feira, 16 de abril de 2015

Jogo crucial

O Benfica começa depois de amanhã a definir este campeonato. Estou seguro de que todos estarão conscientes da importância deste momento. Como assinalei antes, uma vitória no Restelo é meio caminho andado para o título. 

Neste momento a vantagem está toda do nosso lado. Vencer no Restelo significa que as coisas continuarão assim na jornada seguinte, na qual tudo se pode decidir. Uma vitória significa o título que ficará apenas a faltar confirmar matematicamente, um empate significa que, com 4 jornadas para disputar, o Benfica se poderá permitir uma derrota (por exemplo em Guimarães) sem que isso comprometa o seu primeiro lugar. Ou seja, mesmo um empate com o Porto deixar-nos-ia à beira do bicampeonato. Isto claro, na condição de vencermos no Restelo.

É um facto que tem havido uma discrepância grande entre o rendimento do Benfica em casa e fora. É evidente que quase todas as equipas jogam melhor em casa mas no caso do Benfica essa diferença tem ido do 80 ao 8, como aconteceu nas pálidas exibições contra o Paços e o Rio Ave. Nessa medida este jogo tem que ser abordado com muita atenção, muita seriedade e muita concentração. O Benfica precisará de ser muito frio e letal no aproveitamento das oportunidades. Recorde-se que o Sporting em duas visitas ao Restele esta época perdeu um jogo e empatou o outro in extremis com um golo nos descontos.

Mais seria importante conseguir resolver o jogo cedo se possível, de forma a Samaris, Sálvio e Jonas não correrem o risco de receber um amarelo que os afastaria do jogo com o Porto. Nenhum desses jogadores é neste momento "substituível", no sentido em que qualquer uma das opções para os respetivos lugares (Amorim ou Fedja, Ola John ou Gonçalo Guedes e Derley ou Johnathan) representaria (salvo uma surpresa positiva) uma perda de rendimento.

Por fim deixo uma nota sobre o Porto. O jogo de ontem surpreendeu-me pela qualidade que o Porto demonstrou, ao vencer de forma clara e merecida uma das melhores equipas do mundo (apesar de bastante desfalcada). Há demérito do Bayern, como se vê claramente nas péssimas exibições de Alonso e Dante e na inexistência de Mário Gotze. Mas há muito mérito do Porto que ontem demonstrou de facto a valia do seu plantel, avaliado pelo site transfermarkt em 212 milhões de euros. Isto só demonstra ainda mais como o Benfica tem feito uma grande época, dado que as soluções de que dispomos estão em muitos casos longe das do Porto.


Nota final: Lopetegui já nos habituou aos seus protestos, amuos e lamentos. Mas ontem resolveu ser original e sugerir uma coisa que eu não pensava possível: que o campeonato parasse quando o Porto joga as competições europeias. Deve ter sido isso que ele tinha em mente quando se queixou de que tinha de jogar dali a três dias dias e que isso não era bom para o futebol português. Enfim mais uma lição do iluminado aos aldeões. Comentários para quê?

terça-feira, 14 de abril de 2015

Bayern de Munique B?

Em 2012/2013 o Benfica jogou com o Barcelona em Nou Camp e os catalães deram descanso a vários titulares (curiosamente Tello fez parte do 11 inicial). Ainda assim jogaram Thiago Alcântara, (que também curiosamente Guardiola levou para o Bayern de Munique), Puyol, Piqué, Alex Song, David Villa e Messi (embora entrado apenas na segunda parte). 

Como a ideia de muitos jornalistas e comentadores era deitar a baixo e desvalorizar o Benfica, logo se declarou que aquilo era um "Barcelona B" ou até "C" e que o Benfica tinha perdido uma grande ocasião para derrotar o colosso catalão. Claro que não se disse que no Benfica Sálvio e Enzo estavam lesionados e que Cardozo (na altura melhor marcador e titular) ficara no banco por opção.

Ora face a esse "rigor", essa exigência para com o Benfica, que na altura tinha "obrigação" de ganhar (fora, no Nou Camp...) ao Barcelona, porque este jogara com a sua equipa "C", eu pergunto-me o que se dirá agora acerca do Porto e das suas "obrigações" ao jogar em sua casa contra um Bayern de Munique altamente desfalcado. 

É que curiosamente, estamos perante uma crise de lesões sem paralelo e o Bayern não poderá contar com... 9 jogadores do plantel. De tal forma que no último jogo tiveram apenas 4 jogadores no banco... Entre os lesionados estão os flanqueadores e principais desequilibradores do Bayern. A lista inclui Schweinsteiger, Robben, Alaba, Javi Martínez, Benatia e Ribéry. Guardiola diz que é a crise de lesões mais grave desde que é treinador.

Vai-se chamar a esta equipa Bayern B?

Note-se que eu não desvalorizo o Bayern nem alinho por estes discursos. Apesar de fragilizada pelas ausências, o Bayern continuará a ter uma equipa poderosa, com jogadores como Lewandovski, Muller, Xabi Alonso entre muitos outros, que vale pelo conjunto e pelas ideias de jogo. O que é curioso é ver como os que alinhavam por esse discurso do Barcelona B há dois anos agora estão calados ou a desvalorizar a quase dezena de ausências.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Benfica - o melhor futebol de ataque

A exibição de sábado do Benfica entra diretamente para os livros do melhor futebol de ataque. Deve figurar nos compêndios de jogar bonito e bem, ou seja de um tipo de jogo que não apenas é vistoso mas também eficaz. 

Sinceramente não sei se alguma vez vi um início de um jogo de futebol tão bem conseguido - não apenas por parte do Benfica. Durante 20 minutos a Académica pura e simplesmente não conseguia ter a bola em seu poder, ao passo que o Benfica fazia jogada atrás de jogada de golo eminente, quase sempre de grande recorte técnico e belo efeito. 

Os jogadores do Benfica estiveram intratáveis, o domínio foi avassalador, a exibição do melhor a nível mundial.

Desta vez nem sequer se pode tentar tirar o mérito ao Benfica "culpando" o adversário pela sua falta de qualidade pois a Académica vinha jogando bom futebol e a conseguir resultados interessantes- e desejo que assim continue já na próxima jornada. Nem se pode acenar com fantasmas de arbitragens.

Desta vez o mérito é todo do Benfica.

Claro que ainda não ganhamos ainda. Mas que ficamos mais perto também não há dúvidas. E um futebol destes, que dá gosto ver, merece ser elogiado. Neste momento não vejo nenhuma equipa europeia jogar um futebol tão bonito como o do Benfica.

domingo, 12 de abril de 2015

Ganhar no restelo é meio caminho para o título

O outro meio é vencer o Porto em casa.
Conseguir essas duas vitórias equivale a ficar com, pelo menos, 6 pontos de vantagem (que valem por 7) com apenas 4 jornadas para disputar. O Benfica poderia perder dois jogos e ainda assim seria campeão.
 
Falta pois "apenas" isto. Não sendo fácil está bem ao nosso alcance. Basta jogar o que sabemos e ter cabeça para controlar as emoções.