quinta-feira, 7 de maio de 2015

Monstros do futebol

O que Messi fez ontem só está ao alcance de um "estratosférico" do futebol. O 1º golo, que desbloqueia o jogo é bom mas o segundo, fazendo Boateng cair "como um pino", como disse alguém na noite de ontem, e fazendo depois um chapéu a Neuer, roça o sublime. Depois disso ainda teve tempo para isolar Neymar para o terceiro.

Messi voltou a provar que é único na sua habilidade, na forma como mantém a bola colada ao pé e realiza o drible curto. É de facto algo de único no futebol mundial.

Isto não implica desvalorizar Ronaldo. Muitas vezes vemo-nos perante as chamadas falsas alternativas nas quais para um ser o melhor o outro tem que ser um jogador banal. Não, são dois super-jogadores, dois monstros do futebol. Ronaldo tem sido uma máquina de golos como nunca se tinha visto, batendo recorde atrás de recorde.

Voltando ao Barcelona, estamos quase perante um caso de concorrência desleal. Ter Messi e Neymar na mesma equipa e ainda lhes juntar Suarez é algo que torna a competição demasiado desequilibrada. Se o Barça estiver nos seus dias é quase imbatível. Pelo que vimos nos últimos jogos, é claramente favorito numa final com o Real e mais ainda a Juventus.

Antes do embate de Guardiola com a antiga equipa eu tinha expressado curiosidade sobre o jogo dos "dois Barcelonas". Reconheço que fiquei desiludido com o jogo do Bayern, pois foi muito pouco afoito no ataque. Nas poucas ocasiões em que procurou fazer subir mais jogadores no terreno foi apanhado em contrapé de uma forma quase embaraçosa. Ora isso não abona a favor do treinador que ainda há umas semanas elogiei após o desmantelamento do Porto por 6-1. Para além disso, a substituição de Muller por Goetze quando já estava a perder não pareceu a melhor solução.

É curioso que só ontem, ao ouvir mais uma vez as palavras de Mourinho proferidas após a conquista do título de campeão inglês, compreendi o verdadeiro alcance e destinatário da sua afirmação de que poderia ter escolhido um campeonato tranquilo onde poderia vencer sem grande dificuldade mas que escolhera a liga mais competitiva do mundo. O alvo da indirecta era Guardiola. 

No entanto também não tenho dúvidas de que Mourinho como Guardiola são, em estilos e com personalidades muito diferentes, também dois monstros do futebol. O espanhol sofreu porém ontem um retrocesso na sua caminhada de afirmação extra-Barcelona. O seu Barcelona bávaro fez uma má figura em Nou Camp. Existe uma atenuante: voltaram a ficar de fora por lesão as principais figuras do Bayern. No entanto este Bayern tem demasiada bola para as oportunidades de golo que cria. Nisso Mourinho é muito mais prático: para ele a posse de bola visa a baliza e o golo. 

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Exibição categórica e Super Maxi

O Benfica fez um grande jogo em Barcelos. É verdade que as coisas saíram bem mas o mérito é destes atletas que vão à procura de fazer essas mesmas coisas acontecer. Há muito e bom trabalho por detrás destes jogos.

Num jogo de 5-0 é quase "obrigatório" começar pelas exibições dos avançados mas desta vez vou fazer exactamente o contrário e começar  por destacar Júlio César. Se a vitória fio de goleada, a ele muito o devemos pois fez um par de defesas notáveis e impediu por completo o Gil Vicente de discutir o resultado. O guarda redes brasileiro tem sido um esteio deste Benfica. Mas a defesa está também de parabéns, ou não fosse responsável por, para além de ter contribuído para a inviolabilidade das redes, 3 dos 5 golos. É muita coisa. Maxi, super Maxi continua a encher os campos de Portugal com a sua classe. Não sendo um jogador de grandes floreados técnicos, é um profissional de topo, ao nível dos melhores do mundo. Jogadores como Suarez ou Cavani são os primeiros a dizê-lo, tal como o experiente treinador uruguaio. É que Maxi já é uma lenda naquela selecção cheia de história. E no Benfica idem. Desde há muitos anos que um lateral não agarrava a posição de uma forma tão convincente e duradoura. É um jogador de equipa, de raça, de entrega e de grande amor à camisola. Acho que muitos benfiquistas não chegaram ainda a perceber toda a dimensão futebolística e importância para a equipa de Maxi. Jogadores destes não aparecem todos os dias ao virar da esquina. Para mim é para manter por muitos e bons anos - Veloso jogou até aos 37... Luisão também voltou aos golos numa nova assistência de Pizzi que voltou a afirmar o seu estatuto na equipa.

Gostei muito de Lima (que tinha andado apagado nas últimas jornadas) e claro que Jonas respira classe. O seu golo é de nota artística, tal como a assistência. Sulejmani foi a boa surpresa deste jogo. Na minha opinião estando bem seria a escolha natural para o lugar de Sálvio. Não creio que Ola John tenha neste momento condições para ser titular do Benfica. Caso Gaitan esteja de fora no próximo jogo (como parece) e Sálvio não recupere, Jorge Jesus lá terá que "inventar" outra vez... 

O próximo jogo é agora o mais importante. Começa 0-0 e não podemos pensar de forma nenhuma que já está ganho, porque isso seria meio caminho andado para não o conseguir. Mas entretanto deixem-me ainda desfrutar um pouco mais estes 5...