sexta-feira, 22 de maio de 2015

Deixem o Benfica festejar

Como benfiquista do coração e de pequenino, custou-me e entristeceu-me muito o que aconteceu no domingo. A festa do Benfica foi estragada - e não foi pela polícia, foi pelos adeptos (?) que se envolveram em agressões, roubos e ataques que fizeram do Marquês de Pombal uma zona de intifada. 

Concordo inteiramente com o Presidente da Câmara de Lisboa. Acho inexplicável que quase uma semana depois do que se passou ainda não haja um apuramento de responsabilidades e uma identificação dos grupos criminosos. Porque é disso que estamos a falar. Pedras da calçada e garrafas atiradas daquela forma podem lesionar gravemente e até matar uma pessoa. Quem atira esses objectos indiscriminadamente, aliás no meio de uma multidão onde estavam crianças pequenas, é pior do que um selvagem e do que um animal. É um criminoso que tem que ser banido do convívio com as pessoas normais. Defender, justificar ou desculpabilizar estes actos não é defender minimamente o Benfica. É até o contrário. Luisão disse logo enquanto os acontecimentos decorriam que aquilo não era o Benfica. Luis Filipe Vieira também esteve muito bem ao denunciar a violência e defender que ela tem qeu ser banida do futebol - doa a quem doer! E Leonor Pinhão fez o mesmo na sua crónica de ontem n' "A Bola". Sublinho bem, doa a quem doer, porque se as claques tiveram alguma coisa a ver com isto têm a meu ver que sofrer as consequências com um castigo que seja verdadeiramente exemplar e permita que o desejo do Presidente (e de todos nós) se torne realidade e pais e filhos possam ir em paz e segurança ao futebol.

Claro que a actuação do já infame oficial da PSP em Guimarães é uma coisa inenarrável e aberrante que também tem que ser exemplarmente punida. Claro que no próprio Marquês poderão ter havido comportamentos menos correctos por parte da polícia. Mas nada disso desculpa, justifica ou legitima o que se passou e que acabou com a festa dos benfiquistas cobrindo-nos de vergonha. Por isso insisto: tem que haver um apuramento rápido de responsabilidades. Existem muitos vídeos que permitem identificar as pessoas e, foi dito, houve várias detenções. Expliquem portanto o que aconteceu. Talvez se venha a perceber que de facto os problemas nada tiveram a ver com futebol e o nome do Benfica possa ser limpo desta história absolutamente lamentável.

Felizmente temos este domingo uma nova hipótese de festejar, agora já sem a tensão e a ansiedade de ver concretizado o grande objectivo da época. Alcançado o campeonato, com um mérito enorme e talvez sem as armas do principal contendor, que apostou todas as fichas neste ano (e já vai no segundo empréstimo obrigacionista em menos de um ano...) e nada ganhou, podemos agora saborear tranquilamente a conquista. Podemos festejar a consagração e expressar toda a alegria por este bi-campeonato encarando o jogo com o Marítimo tranquilamente. Finalmente o Benfica consegue ganhar de forma sustentada e não apenas esporadicamente. Fica a faltar a Taça da Liga. O nosso destino é vencer. Luis Filipe Vieira conseguiu encontrar o caminho certo e hoje é reconhecido até pelos seus anteriores críticos e opositores. Espero sinceramente que não cometa o grande erro de desfazer esta equipa ganhadora e de enveredar por experimentalismos nesta fase. O Benfica tem um plantel que este ano foi espremido ao máximo. Outros acharão que era possível fazer melhor. Desde o início da época que deixei aqui claro que esta equipa, este plantel tinha evidentemente qualidade mas estava longe de ser um plantel de topo. O do Porto era, em valores individuais, superior em termos de valor de mercado. A nível europeu foi claro que não havia condições para fazer mais. Nessa medida haverá que acautelar a qualidade para o ano (e isso não se faz com a equipa B ou a formação): Mas acima de tudo é preciso manter o homem que mudou a tendência dos últimos 30 anos do futebol Português - Jorge Jesus.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Há que manter a estrutura

A vitória neste campeonato demonstra como o Benfica evoluiu ao longo dos últimos anos. 

A estabilidade e solidez da sua estrutura técnica e dirigente foi o grande suporte que permitiu este título. Num ano em que o Porto apostou forte e contratou jogadores de categoria internacional (alguns apenas por empréstimo), ao passo que jogadores fundamentais da nossa equipa saíram para outros clubes (a que se juntaram lesões altamente inconvenientes), a estabilidade de métodos e "ideia de jogo" e a grande união do plantel, sustentadas numa estabilidade que vem de cima, foram os factores que fizeram a diferença. Vários são os jogadores que referem a unidade do plantel e o bom ambiente no balneário. Mesmo os jogadores menos utilizados se sentem bem no clube e desejam permanecer. 

Face a isto, seria muito perigoso desmantelar esta estrutura, a começar evidentemente pelo treinador, que é uma peça fundamental e o principal responsável pela vitória no campeonato. Não entendo as notícias de que o Benfica lhe quer baixar o ordenado. Não me parece que um treinador que já rentabilizou tantos jogadores e conquistou tantos títulos possa ser considerado "caro". Caros são aqueles que não ganham nada e fazem os clubes passar períodos de sequeiro. 

Mas a estrutura não é só Jesus. Começa evidentemente em Luis Filipe Vieira e passa, além do treinador, por pessoas como Rui Costa e Shéu. Essa estrutura está a funcionar muito bem, com cada um no seu lugar (Shéu é fundamental no balneário para transmitir aquilo que é o Benfica) pelo que deve ser mantida. É muito difícil construir mas é muito fácil desmantelar e destruir. Não gosto de ver notícias que falam da saída de Jesus (exceptuando aquelas que são do domínio da comédia) mas compreenderei se houver uma oferta irrecusável de um Real Madrid, um Bayern ou um Manchester United. No entanto se Jesus viesse a sair (e na verdade não acredito nisso) porque o Benfica lhe queria baixar o ordenado, acabando num clube da classe média europeia, para nós irmos contratar uma qualquer esperança ou um treinador mediano, isso seria incompreensível e muito perigoso. Poderia significar um retrocesso no caminho que vimos percorrendo de re-afirmação como principal clube português depois de um período hegemónico do Porto. Também me desagradam as notícias que falam da saída de Rui Costa para a Fiorentina ou Milan. Nos últimos anos Rui Costa trouxe jogadores de qualidade para o Benfica e tem sido mais uma peça importante nesta estrutura pelo que simboliza de mística benfiquista. 

Os resultados do Benfica nas últimas épocas demonstram o rigor com que se tem vindo a trabalhar. Aquilo que faltava no Benfica, a tal estrutura sólida e coesa, com todos a remar para o mesmo lado, que faltou no passado, tem finalmente sido conseguido. Há agora que a manter e consolidar. 


segunda-feira, 18 de maio de 2015

O Benfica voltou mas...

É tristíssimo que depois de uma conquista tão importante e uma festa até então bonita as coisas acabem como acabaram ontem à noite. Um bando de criminosos acabou com a festa e de algum modo estragou-na. Muita coisa correu mal ontem, a começar em Guimarães e a acabar no Saldanha e será preciso, como já disse o Presidente, apurar muito bem responsabilidades. Umas coisas não podem servir para desculpar outras. O que aconteceu é demasiado grave - e não tem a ver apenas com o futebol nem com o Benfica. As nossas sociedades estão doentes e isto são sintomas. Mas isso não serve para desculpar ou desresponsabilizar ninguém. Serve para pensar as coisas de uma forma mais abrangente mas entretanto todos os incidentes terão que ser analisados individualmente.

EM primeiro lugar, quanto aos adeptos que agrediram pessoas e destruíram coisas em Guimarães tem que se perceber - e isso hoje já é possível - quem comprou bilhetes para aquela secção. Se foi a claque, tem que haver consequências drásticas.
Depois em relação ao que aconteceu no Marquês, haverá que perceber muito bem quem são aqueles indivíduos. Há muitas imagens que devem ser utilizadas para identificar os criminosos. Claramente eles estavam num grupo porque actuaram como tal. Não teria a claque obrigação de controlar uma situação destas? Viam-se muitos adeptos a querem parar com aquilo mas individualmente nada podiam fazer sem um enorme risco para a sua integridade física. Agora a claque conta com centenas de elementos pelo que tem um poder de dissuasão incomparavelmente melhor. Na hipótese, que nem quero admitir que aquela gente pertencia à claque então defendo que ela deve ser pura e simplesmente banida do estádio da Luz. É preciso separar o trigo do joio.

Quanto à actuação da polícia, o que se passou em Guimarães com o uso de brutalidade contra uma família é algo de inconcebível e que tem que ser exemplarmente punido. Não há justificação possível para o que se passou. Incidentes desses destroem a imagem da polícia, a sua credibilidade e em última análise a sua capacidade de intervir contando com o respeito e boa vontade dos cidadãos.
Quanto à actuação no Marquês é difícil ajuizar porque realmente era pouco expectável que a polícia se fosse deparar com uma situação tão violenta e caótica numa noite que deveria ser de festa. Ainda assim terão que ser examinados os comportamentos para perceber se eles terão sido os mais adequados. Mas que fique claro que ninguém pode ter nenhuma razão para atirar garrafas ou pedras e que isso é que acabou com a festa e a estragou. 

Ficou assim ensombrada uma festa que começara tão bem, com os jogadores a demonstrar a sua união no relvado de Guimarães e os adeptos do Porto e Gaia a fazerem um cortejo à equipa na sua chagada ao aeroporto Sá Carneiro. Foi mais uma grande demonstração do carácter verdadeiramente nacional e da dimensão do Benfica. A festa no Marquês poderá ter sido demasiado encenada e exagerada nos decibéis. Mas isso são pormenores. O fogo de artifício e o momento do hino foram momentos bonitos, tal como as celebrações dos jogadores.

Este campeonato é importantíssimo e marca de facto o regresso de um Benfica que ganha de forma continuada, algo que era importantíssimo. O mérito deste campeonato é total. Mas melhor falarei disso em próximos posts.