quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Vitória de raça

Depois de duas derrotas, uma delas, algo injusta, para a Champions, era fundamental o Benfica ter capacidade de resposta. Teve-a e muito forte.
A vitória de ontem é uma vitória de raça, conquistada com mérito absoluto, que se segue a uma vitória de serviços mínimos (apesar do 4-0) final perante um adversário demasiado fraco para apresentar qualquer oposição.
Não foi o caso do Galatasaray. Com Podolsky e Shneider na frente, a equipa turca tem sempre armas potentes apontadas à baliza adversária. Além disso tem jogadores muito experientes e sabia que o Benfica corria contra alguma ansiedade.
Mas seja dado o mérito devido ao Benfica, Rui Vitória e jogadores acima de tudo: desde o início que dominaram o adversário, assumiram as despesas do jogo e criaram algumas oportunidades. Na segunda parte a pressão intensificou-se e não deixou o Galatasaray respirar, culminando num golo justo de Jonas.
O golo obtido pelos turcos quase de seguida podia ter provocado nervos e falta de crença, mas isso não aconteceu. O Benfica voltou a dominar o jogo e a marcar, através de um velho "suspeito" destas andanças, o grande, o enorme capitão Luisão. 12 anos de Benfica e recordes batidos uns atrás dos outros. Golos decisivos e uma liderança no campo e no balneário que se exerce pelo exemplo e pela simples presença. Calma, dedicação, categoria são algumas das características de Luisão. "Não permitirei que se coloque em causa o grupo" disse o capitão no fim do jogo. Isto diz tudo sobre a sua atitude. Só os anti-benfiquistas podem não gostar de Luisão ou não o respeitar.
Depois do 2º golo, o Benfica podia ter sentenciado o jogo mas Raul, muito esforçado, não conseguiu concretizar um par de ocasiões flagrantes, também por grande mérito do guarda redes adversário.
Nos minutos finais as coisas complicaram-se muito, devido à expulsão, muito estranha, de Gaitan. Não pelo segundo amarelo, que é indiscutível, mas pelo primeiro e pela circunstância de se ter invertido a culpa. Dar o amarelo a Gaitan em vez de se expulsar o atacante turco foi declaradamente uma escapatória do árbitro face a uma decisão difícil que não quis assumir.
Nesses minutos, jogados em inferioridade numérica e com o adversário a saber que a derrota praticamente o deixava eliminado mas que um golo abria de novo as portas da qualificação, valeu a dedicação e entrega dos jogadores do Benfica, alguns deles completamente esgotados. O lance do golo evitado por "Luiseu" foi a epítome desse espírito e do jogo em si. Eliseu aliás calou ontem muita gente com mais uma exibição de entrega e qualidade. Cometeu alguns erros - algo que só acontece a quem joga e mais a quem arrisca e sobe muito no terreno, como é o seu caso. Mas Eliseu não se esconde e está sempre disponível. Também destaco as exibições de Talisca, excelente nos passes, nas aberturas, dando largura ao nosso jogo e sempre uma ameaça quando visa a baliza. Penso que Talisca tem condições para maturar o seu jogo e poder ser a solução para aquela posição. Finalmente Jonas voltou a ser a ameaça habitual para as redes adversárias, tal como Gaitan que acabou expulso nas circunstâncias já referidas.
Em suma, uma belíssima vitória do Benfica que nos coloca já com um pé nos oitavos de final, com dois jogos ainda por jogar. É mérito de Rui Vitória e dos jogadores.
Há que voltar à trajectória ascendente que estávamos a realizar antes da lesão de Nélson Semedo, a qual fez tremer muito a equipa como aqui já tenho apontado. Os novos equilíbrios estão ainda a ser construídos. Nem tudo passou a estar bem com esta vitória mas é evidente que a confiança agora é outra. Uma coisa é certa, os jogadores mostraram mais uma vez a sua união e plena confiança no caminho que está a ser seguido. Penso que Rui Vitória precisa de tempo para ir assentando ideias, adaptando-se melhor à realidade Benfica e colocando as peças nos seus lugares certos. Acho que o plantel tem mais soluções do que as que têm sido exibidas. Não há necessidade de se insistir sempre no mesmo 11 quando existem tantos jogadores com qualidade que ainda não jogaram um único minuto esta época. Neste caso as lesões e castigos permitiram "abrir" um pouco mais o 11 a outros jogadores mas penso que mais pode ser feito nesse capítulo.
Em todo o caso esperemos que o caminho de vitórias seja para manter.