quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Previsível

Estive bastante tempo ausente das andanças blogueiras e estava a pensar em voltar a publicar para elogiar Rui Vitória, com quem tenho sido algo duro especialmente a seguir às derrotas com o Sporting.
Ia elogiá-lo por, depois da última dessas derrotas, ter sido capaz de apanhar os cacos e motivar a equipa para uma recuperação em Astana que valeu a classificação para os oitavos da Champions, por uma vitória muito meritória em Braga, pelo lançamento de Renato Sanches e de Pizzi que deram à equipa um equilíbrio que lhe faltava desde a saída de Enzo, e por uma sequência de vitórias interessante no campeonato, incluindo uma bela exibição em Setúbal.
Mas ontem as coisas voltaram a descarrilar - e quem empata com um União da Madeira não pode esperar elogios. Sobretudo porque o Benfica já não tinha margem de erro nenhum, depois de 3 derrotas no campeonato, incluindo contra os dois rivais.
 
O campeonato a meu ver está perdido - mas já o estava desde a derrota com o Sporting em casa. Esse foi o jogo que a meu ver deveria ter levado a decisões drásticas. Mas as palmas dos adeptos foram transformadas pela propaganda no facto mais relevante da noite e muitos benfiquistas deixaram-se ir nesse engodo.
O campeonato está perdido, a taça e a supertaça também. Na Champions a campanha está a ser positiva, veremos o que acontece na próxima eliminatória. Fica a Taça da Liga para disputar até ao fim da época (espera-se que pelo menos aí consigamos chegar à final).
 
A não ter sido demitido após a derrota humilhante com o Sporting na Luz, seguida da eliminação da Taça, não faria sentido Vitória sair nesta fase. Nem LFV ou a "estrutura" estarão para aí virados. Vieira já admitiu recentemente que a época é de transição (algo que eu digo há meses) e implicitamente que é natural nada conquistar de relevante.
 
Esta é, aparentemente, a época zero em termos de "novo ciclo", a época de redução dos encargos, controlo do passivo através dos contratos com a NOS e a Emirates e de lançamento de jovens talentos da Academia ou Equipa B. Nesse sentido Vitória está a cumprir, tendo lançado já Nelson Semedo, Guedes e Sanches. Caso as coisas não piorassem muito, Vitória poderia mesmo ser o treinador na próxima época, uma espécie de Lopetegui do Benfica, dado que tinha suportado o impacto da saída de Jorge Jesus e lidado com alguma falta de soluções no plantel, tanto nas laterais quanto no meio campo, solucionando-as com recurso à prata da casa.
 
É tudo uma questão de perspectiva. Pela minha parte não estou minimamente surpreendido com o que está a acontecer - e não estarei na linha da frente dos ataques e pedidos de demissão de Rui Vitória. Ele faz o melhor que sabe com os recursos de que dispõe. Para além disso nenhum treinador seria capaz de, nesta fase da época, pegar nesta equipa e fazer dela campeã. Já é tarde para tal. O calendário (e aqui e ali uma decisão arbitral "artística") não o permite.

PS - não servindo de desculpa, o relvado estava num estado miserável, previsível também em função não apenas das chuvas mas do facto do Nacional ali ter jogado com o Porto nas vésperas.