sábado, 19 de março de 2016

Ao que chega a indecência...

Depois de todas as acusações, insinuações e insultos ao Benfica, seus dirigentes e até comentadores, ataques e pressão diárias sobre a arbitragem, o bruno-sportinguismo atingiu um novo recorde negativo, um novo patamar de indignidade: atacar os jogadores do Benfica com acusações que vão ao ponto de afirmar que há falsas lesões e (numa acusação de racismo implícito, diga-se) que Renato Sanches afinal não tem a idade que tem. Esta velhacaria, esta indecência já tinha sido tentada por um indivíduo que foi candidato a presidente do Sporting e agora foi plantada na imprensa.
Esta gente tem que ser denunciada e que pagar pelas suas afirmações - com juros. O Benfica precisa de ser implacável porque não pode valer tudo e não se pode permitir que as pessoas agora sejam atacadas não já no plano das suas prestações desportivas mas a um nível pessoal. O Benfica tem que se certificar que esta gente paga bem caro estas indignidades. Nesta altura estão muito felizes porque venceram o Arouca e portanto tudo fica justificado aos seus olhos, dos seus adeptos e mesmo da maioria da imprensa. Acham que a sua estratégia (e das múltiplas agências e assessores de comunicação mercenários sem princípios nem valores) está a ter sucesso. Mas nós não podemos e não iremos esquecer. Há limites.
O Benfica precisa pois de cerrar fileiras, fora e dentro do campo, pois os truques, surpresas e armadilhas não deixarão de estar sempre à espreita. Não podemos dar um milímetro a esta gente. São, como muitas vezes alertei no passado, maus caracteres. E a vitimização e o tom de cordeiros que de vez em quando adoptam, não podem enganar ninguém.

Mais uma etapa - e a rábula dos penalties

O Benfica resolveu muito bem a questão Tondela, conseguindo ser eficaz no primeiro canto que teve (por vezes temos múltiplos lances de bola parada sem que a bola passe sequer do primeiro defesa adversário), marcando o segundo golo na primeira grande jogada de ataque e depois gerindo o jogo a seu bel-prazer, sem sobressaltos e com qualidade.
O jogo podia ter sido bastante mais complicado uma vez que vínhamos de dois jogos de exigência e tensão máxima, de grande desgaste físico e psicológico e para além disso não contávamos com Renato Sanches que tem sido altamente influente.
Rui Vitória voltou a apostar em Fejsa a "trinco" pelo que jogámos com um meio campo menos rodado, ao passo que na direita Nélson Semedo também manteve a titularidade em relação ao jogo da Rússia. De resto tudo igual.
A equipa venceu com segurança e Jonas voltou a bisar e a passar para a frente na corrida pela bota de ouro.
 
Mas Domingo temos novo jogo complicado, perante uma equipa que está numa luta desesperada para não descer e que normalmente se bate até à exaustão, para além de jogar durinho. O Boavista é um adversário que exige que estejamos muito atentos e que sejamos inteligentes na gestão do jogo. Nesta partida não contaremos com Jardel e Mitroglou pelo que outros terão que mostrar serviço, nomeadamente Raúl que será certamente titular ao lado de Jonas.
A semana fica também marcada pela histeria quase demente dos sportinguistas, inventado casos, insinuações e calúnias graves contra o Benfica. Eu percebo que lhes custe engolir a derrota que o Benfica lhes impôs em casa mas não pode valer tudo.
Foram ultrapassados limites de decência e atingiram-se novos patamares de ridículo. Querem penalties na área do Benfica por contactos em lances nos quais o atacante nem sequer se desequilibra e reclamam de foras de jogo em pontapés de baliza... Rogério Alves esteve mais de 20 minutos a falar sem se calar, numa "indignação" quase neurótica e Eduardo Barroso voltou a ver conspirações e ataques imaginários (à semelhança do "encostado") contra o seu querido - e imaculado - Bruno. Patético. Depois dizem-me que Rui Santos voltou à sua pseudo-cruzada outra vez com a conversa de parvos dos penalties, agora dando-se ao trabalho de ir fazer um levantamento dos lances que "podiam ter sido penalty". Este caso já é mais grave porque se trata de um comentador de um espaço supostamente "neutro" mas cuja agenda pro-actual-Sporting é hoje evidente (tal como o foi no passado a sua agenda anti-Paulo Bento).
Há que fazer a desmontagem sistemática desta palhaçada e começar também a responder na mesma moeda, recordando os múltiplos lances em que o Sporting tem sido beneficiado, fazendo por exemplo a contabilidade de quantos penalties deveriam ter sido marcados contra e não foram (por exemplo Guimarães, por exemplo Arouca) e quantos já foram assinalados a favor por comparação com os do Benfica.
Em relação a esta estatística, posso-vos desde já dizer que o clube com mais penalties a favor é o Sporting não apenas esta época mas em praticamente todo este século. Mais: tiveram um ano com um recorde de 17 penalties (2001/2002)... É obra. Mais: estiveram 4 anos e meio sem ter um penalty contra em competições domésticas, prazo que aumenta se contabilizarmos apenas os penalties para o campeonato: 5 anos! É obra a multiplicar por 5.
O Sporting é isto. Aqui ficam os links para este insólito recorde e também a página de estatísticas de penalties a favor:
Desafio os benfiquistas a fazerem a estatística completa dos penalties neste século para esfregar na cara dos sportinguistas.
Quanto ao resto, como disse Dias Ferreira uma vez, são caracóis, são caracolitos.
É ganhar os nossos jogos e deixá-los a falar sozinhos.
 
 
 
 

domingo, 13 de março de 2016

Comentadores malcriados

Estive a ver o programa "Mercado" da CMTV e é inacreditável quão vulgares e desrespeitosos os comentadores do Sporting e do Porto são com Leonor Pinhão. Paulo Andrade em particular, não apenas por isso mas pelos seus comentários facciosos, é um caso clínico e doentio.
Acabou de dizer "o caso Doyen não tem nada a ver com o Bruno de Carvalho". Começo a pensar que o dito é mesmo doente mental.