sábado, 23 de abril de 2016

Agora vale tudo!

Eu pensava que já nada no futebol português me poderia surpreender mas evidentemente estava enganado.
Depois do ambiente inqualificável criado pelos dirigentes do Sporting, de permanentes insinuações, calúnias e ataques a tudo e todos, Pedro Proença, o presidente da Liga, esteve ontem em alvalade para um congresso. Declarou na ocasião que os agentes de futebol o deveriam defender e aqueles que denegrissem a competição deveriam ser penalizados. Até aqui tudo parece bem. Mas o mais surpreendente veio depois. O colega de universidade (e amigo) de Bruno de Carvalho disse em seguida que o Sporting "tem estado na vanguarda de um discurso diferente". Está tudo dito.
 
O Benfica tem que estar preparado para tudo. E tem que partir do pressuposto de que terá mesmo que vencer todos os restantes jogos para ser campeão.
 
Onde já se viu o presidente de um grande declarar a época acabada a 6 jornadas do fim? Onde já se viu uma equipa entrar em "pré-época" (?!?) a 6 jornadas do fim do campeonato, quando ainda tinha aliás condições para lutar pelo acesso direto à Liga dos Campeões? Quando já se viu um grande a fazer experiências e a rodar jogadores a 4 jornadas do fim? Isto é absolutamente surreal.
 
Pinto da Costa declarou que o Porto bateu no fundo, mas isso não é algo que se declare ou que se decida. Todos querem sempre melhorar e achar que o pior já passou, mas só o tempo e os factos podem dizer se é mesmo assim. Bater no fundo é ser goleado em casa por um rival e ficar em 6º ou 7º num campeonato. Este Porto ainda não está aí. Mas pode bem estar a caminho.
 
Isto para dizer que este Porto praticamente carregou no botão de autodestruição e que deverá ser atropelado pelo Sporting na próxima jornada. Depois disso o Sporting tem o jogo de Braga mas também aí as circunstâncias lhe são favoráveis na medida em que o Braga tem o seu campeonato feito e uma semana depois jogará a final da Taça de Portugal. Atendendo ao que aconteceu em Moreira de Cónegos e à defesa insólita de JJ ao fiscal de linha que validou o golo (depois de todos os ataques que o Sporting tem feito aos árbitros esta defesa é de facto o cúmulo da hipocrisia e desonestidade intelectual) e "ameaças ao observador, a mensagem está lançada. E se o Sporting precisar de vencer em Braga para ser campeão, vencerá de certeza. A bem ou a mal.
 
Proença veio ontem legitimar este discurso e dar força ao Sporting. Descodificada, a sua mensagem foi: o Sporting está a fazer bem, ouçam o que eles estão a dizer porque eles estão na linha da frente do poder.
 
O Benfica tem pois que estar preparado para as habilidades de Soares Dias amanhã. É a penúltima deslocação da nossa equipa e em teoria a mais difícil. O Rio Ave e Soares Dias procurarão enervar e provocar os jogadores do Benfica. Não tenham a menor dúvida sobre isso! Farão tudo o que fôr  possível para nos prejudicar. Em tudo o que for bola dividida, lance duvidoso, as coisas correrão sempre contra nós.
 
O Benfica tem porém um grande trunfo do seu lado: os adeptos e uma equipa que já deu esta época imensas demonstrações da sua classe. Agora terão que voltar a dar tudo, como fizeram em Braga, em Alvalade e em tantos outros campos nacionais e internacionais esta época. Vai ser mais uma guerra e nesta fase vale (quase) tudo. Os nossos atletas têm que entrar em campo bem conscientes disto e preparados para ser deliberadamente prejudicados sem deixar que tal afecte a sua concentração e rendimento.

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Andebol - Benfica na final do campeonato

Depois de vencer a Taça de Portugal, batendo consecutivamente o Porto e o Sporting, o Benfica  assegurou ontem na Luz a passagem à final do campeonato nacional de andebol. O resultado final foi de 22-20.
Foi a terceira vitória do playoff sobre o Porto (à maior de 5 jogos), tendo a nossa equipa perdido apenas uma partida.
Já na altura da vitória épica na Taça estive para aqui escrever para destacar tal feito. O Benfica partiu para a época como não favorito (o Porto vinha de 7 campeonatos seguidos a ganhar) e a época regular nem estava a ser muito positiva. Tudo apontava para mais um ano decepcionante e sem títulos. No entanto a vitória no primeiro jogo dos playoffs do campeonato, alcançada no dragão Caixa, deu um enorme ânimo e confiança a esta equipa. Poucos dias depois jogou a Taça e após eliminar o Porto venceu na final o Sporting com um golo sobre o apito final. Mais uma vez o Sporting demonstrou mau perder, não tendo os seus jogadores recebido as medalhas, uma autêntica vergonha e total falta de desportivismo.
 
No campeonato, o Benfica está já na final, onde disputará o título com o Sporting ou o ABC. As equipas estão empatadas 2-2 no playoff.
Sublinho que o andebol vinha sendo nos últimos anos o parente pobre das modalidades, com resultados muito abaixo do que alcançamos nas outras, onde temos somado títulos após títulos (basquete, vólei, hóquei, futsal e atletismo). Essa dinâmica negativa já foi quebrada, tornando-se agora possível a dobradinha.

terça-feira, 19 de abril de 2016

Não é altura de fraquejar

O Benfica esteve ontem muito perto de perder a liderança do campeonato, naquele que à partida seria o jogo mais fácil deste ciclo final. Tal não aconteceu porque Ederson "salvou" a equipa, evitando com os pés ser fintado pelo avançado setubalense que apareceu completamente isolado na sua cara. Isto já em tempo de descontos, no qual um golo seria absolutamente irrecuperável. 
O que aconteceu?
A meu ver, a explicação é clara: cansaço.
Tínhamos aqui alertado para as potenciais consequências negativas da eliminação da Champions e infelizmente tais receios confirmaram-se inteiramente. António Simões advertira igualmente para esses perigos na BTV antes da partida e voltou a fazê-lo no intervalo do jogo, antecipando aquela segunda parte de sofrimento.
A verdade é que Rui Vitória, que tem tão justamente recebido elogios de praticamente todos os quadrantes cometeu a meu ver nos últimos jogos alguns erros que fizeram com que a equipa acabasse a partida de ontem a arrastar-se pelo campo, com as pernas a pesarem toneladas, a tomar decisões erradas e cometer erros comprometedores.
O jogo com a Académica foi, a meu ver, aquele no qual tais erros começaram. Depois de Munique impunha-se (a meu ver) refrescar a equipa. Vitória não o fez e no fim desse jogo Mitroglou e Gaitan estavam de tal modo esgotados que nem foram convocados para o jogo da segunda mão contra o Bayern. Mas não eram os únicos.
Ontem a equipa entrou em campo algo relaxada, depois da tensão máxima do jogo com o Bayern e da descompressão gerada pela saída das competições europeias. Inteligente, o Vitória de Setúbal entrou em jogo com um lance estudado e surpreendeu, entrando no jogo a ganhar.
O Benfica a partir desse momento massacrou e fez dos mais impressionantes 25 minutos de que me lembro recentemente, com múltiplas oportunidades, combinações, cruzamentos e remates. As defesas do guarda-redes adversário e a anulação dos únicos lances de golo por foras-de-jogo (bem assinalados) podiam ter levado a equipa ao desespero, mas tal não aconteceu. Mérito absoluto na forma como o Benfica deu a volta.
O abrandamento logo após o segundo golo e a progressiva melhoria do Setúbal deixavam porém uma ponta de intranquilidade que se veio a agravar fortemente na segunda parte. A partir de dada altura o Benfica entrou em completo desnorte e acabou o jogo a ser salvo pelo seu guarda-redes num lance que já se dava como golo certo. Foi um atraso inconcebível de Pizzi, a culminar uma exibição desastrosa (golos falhados, passes errados, pernas pesadas que não conseguiam responder aos passes) que se explicam pela fatiga, seguramente emocional mas neste caso também física.

Este jogo já passou mas o campeonato está longe de estar decidido. A defesa de Ederson não garantiu coisa nenhuma. O jogo com o Rio Ave será muito difícil, sobretudo se os nossos jogadores voltarem a denotar cansaço competitivo. Não se trata de um problema de vontade nem de entrega. Os jogadores têm sido inexcedíveis nesses aspectos. Trata-se realmente de fadiga. Nessa medida será importante que alguns jogadores passem pelo banco e que outros que denotam muita vontade (como Jimenez, Samaris e Gonçalo Guedes, por exemplo) tenham oportunidades em campo. Faltam 4 jogos. Não é altura para fraquejar.