sexta-feira, 8 de junho de 2012

Euro 2012 - Pontapé de saída

Começa hoje, na cidade de Varsóvia o Euro 2012. 16 equipas partem para a competição com ambições mais ou menos realistas. Para além do lote de favoritos (os principais, Espanha, Alemanha e Holanda e os outros França, Itália, Portugal e a própria Inglaterra) há que contar com a Rússia e as próprias selecções anfitriãs, Polónia e Ucrânia. Embora as probabilidades destas últimas estarem na final não seja elevada, há que contar com o factor casa (que se aplica de certo modo à própria Rússia), pelo que não será surpreendente se uma delas estiver nas meias finais.
O Euro começa precisamente com a Polónia a receber a Grécia (Grupo A), treinada por Fernando Santos. Desta selecção há a salientar a excelente fase de qualificação, a experiência do treinador português, o facto de ter vencido a competição há 8 anos e ainda o factor crise - o desejo de dar tudo pelo seu país para animar os compatriotas. A favor da Polónia joga o factor casa, sendo de resto uma selecção relativamente desconhecida... até dos gregos. O jogo é às 17.00h, com a transmissão RTP a começar às 16.30h. Às 19.45h jogam a Rússia e a República Checa (também do Grupo A) sem direito a transmissão televisiva em canal aberto.

O ser humano é naturalmente atraído pelo desejo de conhecer o futuro. As múltiplas previsões, desde as casas de apostas até às estranhas rábulas com animais (polvos, elefantes e até porcos) que se fazem por estes dias atestam, embora de forma um pouco degradada, essa aspiração, que data já da antiguidade. Na altura questionavam-se os deuses e as pitonisas, perscrutravam-se os céus e os astros, interpretavam-se sonhos e visões. O desejo de conhecer o futuro levou mesmo a indagações filosóficas, desde Aristóteles até aos filósofos modernos, passando pelos medievais que elaboraram uma doutrina dos "futuros contingentes". Apesar de todos os progressos da ciência e da quantidade de informação sobre o mundo material que ela possui, determinar o futuro persiste uma tarefa impossível.

Há sempre o imponderável. No futebol o imponderável é a sorte, a decisão do árbitro, um acto irreflectido ou negligente de um jogador que deita tudo a perder para a sua equipa. Por isso qualquer previsão é simultaneamente válida e irrealista. Sabemos a sua inutilidade, a sua irrelevância mas não deixamos de as fazer. Aliás, ao pé da crise, dos problemas, das grandes questões que se colocam à humanidade, o que é o futebol? A resposta mais simples é: uma diversão, algumas horas de prazer lúdico, de descontração. O jogo, a diversão são factores relevantes das nossas vidas. As "previsões" enquadram-se nesse âmbito.

Venha então o Euro e, para quem gosta, as previsões. Os resultados da sondagem deste blog (na barra direita) serão objecto de um post e no fim veremos em que medida eu próprio (que seleccionei o lote de favoritos) e os participantes estávamos perto ou longe do que virá a acontecer.

A bola começa a rolar dentro de menos de duas horas.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Os comentários são agora automaticamente publicados. Comentários insultuosos poderão ser removidos.