quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

O melhor Benfica da época - mas já era tarde

O Benfica fez ontem talvez a melhor exibição da época.
Foi um jogo à medida do que vimos a nossa equipa fazer no passado e que este ano tinha conseguido apenas a espaços no jogo da Taça contra o Sporting. 
A um jogo horrível e de difícil desculpabilização, seguiu-se um jogo bastante bom, contra um adversário de nomeada e com grandes estrelas, que jogou sem grande motivação nem pressão.
Seria muito preocupante e pouco profissional se o rendimento tão díspar da equipa tivesse a ver com factores de motivação ou falta dela conforme o adversário e a competição. No Benfica todos os jogos têm que ser levados a sério, e se alguém ali não o percebe têm que os dirigentes o explicar com clareza. 
O Benfica voltou a demonstrar dinâmica e a pressionar o adversário em praticamente todos os momentos - duas características que constituíram o grande trunfo do Benfica nas últimas épocas.
Maxi, que por razões que não consigo compreender, alguns benfiquistas teimam em criticar, é uma peça absolutamente fundamental na nossa dinâmica. Claro que sendo um lateral tão atacante, acaba por ficar por vezes desposicionado. Mas isso é uma consequência natural do tipo de jogo do Benfica e dos riscos que assumimos. A verdade é que dificilmente se encontra um lateral que crie tantos desequilíbrios na frente como Maxi, que tenha tanta força, tanta raça e tanta dinâmica como o pequeno uruguaio. Claramente um dos meus jogadores favoritos do Benfica. O que não quer dizer que, face à sua presença assídua na selecção uruguaia, Maxi não precise por vezes de ir ao banco para descansar - precisa certamente. 
Também Sílvio esteve muito bem e deu imensa profundidade à equipa. Sílvio é um benfiquista que dá o que tem pela equipa e que ontem esteve particularmente bem.
Outra peça que me pareceu fundamental foi Fedja, aliás um dos jogadores mais desastrados contra o Arouca. Na partida de ontem Fedja esteve em todo o lado (inclusivamente no apoio ao ataque) e praticamente sempre bem. Um meio campo com Fedja, Matic e Enzo Perez é fortíssimo e tem que ser a base desta equipa. Penso que já restarão poucas dúvidas acerca disso.
Mais uma vez gostei de Sulejmani, sobretudo pela qualidade do seu último passe, que é realmente superior e dá uma resposta ao que constitui uma pecha da nossa equipa. Markovic, para além de alguns fogachos teve pouca efectividade. 

Agora, como assinalei ontem, está falhado o primeiro objectivo da época. A responsabilidade é a meu ver do treinador que mais uma vez não percebeu como funciona esta competição: é obrigatório vencer os jogos em casa! Ao dizer, na véspera do jogo contra o Olympiakos na Luz, que o mesmo não era decisivo, algo aliás bem patente na forma como os jogadores do Benfica entraram em campo, dando 45 minutos de avanço ao adversário, JJ comprometeu a qualificação. Depois ficámos dependentes do que acontecesse na Grécia e infelizmente aconteceu o que acontece muitas vezes: fomos infelizes e os gregos tiveram uma sorte do tamanho do maracanã. A partir daí, só um milagre nos qualificaria, como assinalei em devido tempo. Não que o Benfica não tivesse qualidade para vencer os jogos restantes (que tinha como se confirmou). O problema é que o Olympiakos que já mostrara ser uma equipa cínica dificilmente deixaria de bater o Anderlecht. 

O ano passado o Benfica perdeu a qualificação para o Celtic de forma contrária: fizemos 4 pontos contra os escoceses mas uma vitória completamente improvável destes contra o Barcelona (e uma derrota do Benfica contra o Spartak) baralhou completamente as contas e levou à nossa eliminação. É curioso que tal como agora, na altura o Benfica estivesse dependente do resultado do jogo do Celtic em casa contra o adversário mais fraco do grupo e também é curioso que na altura tenha sido um penalty altamente duvidoso a decidir a partida aos 81 minutos. O árbitro era alemão, tal como ontem alemão era o árbitro que expulsou 3 jogadores do Anderlecht e marcou 3 penalties a favor do Olympiakos. Certamente são só coincidências, depois do que se passou entre Luisão e um árbitro também alemão na pré-época passada. 

Seja como for, entre os factores que dependem exclusivamente de si (a concentração, a motivação, a abordagem aos jogos) o Benfica voltou a ter falhas comprometedoras na competição e foi assim eliminado sem surpresa mas com muito amargo de boca. Mais uma vez sentimos que fomos eliminados por uma equipa mais fraca.

O primeiro objectivo da época está falhado. Venha o campeonato e a Taça e, quando for altura disso, em Fevereiro, a Liga Europa. Para já o Olhanense é o próximo adversário. Se jogasse sempre como ontem não tenho dúvidas de que o Benfica seria campeão. Veremos o que se passa daqui para a frente.





Sem comentários:

Publicar um comentário

Os comentários são agora automaticamente publicados. Comentários insultuosos poderão ser removidos.