sábado, 9 de junho de 2012

Títulos em disputa amanhã na Luz

É já amanhã, antes do jogo Portugal-Alemanha, que se começa a decidir o campeonato de Futsal e que se pode decidir o campeonato de hóquei. São dois jogos importantes para o Benfica que, como já disse anteriormente, é um clube vencedor no qual conquistar títulos tem que ser a normalidade.
A vitória no basquete só foi possível devido ao espírito de humildade e trabalho mas também confiança e espírito de conquista que foi transmitida por Carlos Lisboa e a estrutura aos jogadores. O mesmo espírito e raça benfiquista, a mesma seriedade e disponibilidade para dar tudo, com inteligência e classe, são necessários para vencer dois adversários eles próprios campeões em título.
O Benfica é em ambos os jogos o "contender" e é com esse facto na mente que temos que jogar, querendo em todos os momentos mais do que o adversário conquistar o que fez por merecer.
O apoio de todos será um factor que nos pode levar às duas vitórias. Como já disse antes, desejo e apelo, se tal me é permitido, que esse apoio seja sempre dado à nossa equipa, sempre pela positiva, nunca insultando ou expressando agressividade para lá do tolerável. É de desporto e de Benfica e não de guerras e de gangues que falamos, pelo que o Benfica tem de novo que dar o exemplo de como se comportar em campo e fora dele. Quanto aos que não se sabem comportar, os que vêem para incendiar e provocar, os que fazem disso uma estratégia, a melhor arma é sempre o desprezo.
O primeiro jogo da final do futsal, contra o Sporting, começa-se a disputar às 14.30 h no Pavilhão Bonança. O hóquei, 29ª e penúltima jornada do campeonato, é às 18.30 no mesmo local. 
Espero que amanhã possamos ter mais um título no palmarés. Força rapazes!

Euro 2012 - balanço positivo do 1º dia



Foi um bom dia, este 1º do Euro, com muitos golos, emoção e excelente atmosfera.
A abertura fez lembrar 2004, com o sentimento de orgulho e a vibração dos adeptos polacos. As semelhanças porém ficam-se por aí. Sinto alguma pena pela desilusão dos polacos, que podia ter sido pior, mas de facto a sua selecção é limitada. Boa reacção da Grécia. No geral cumpriu-se o que era previsível em termos de desfecho da partida, embora a forma como a Grécia o conseguiu (recuperar em inferioridade numérica) tenha tido o seu quê de dramático.

Também como se esperava, a Rússia foi mais forte do que a República Checa num jogo em que ambas as equipas foram atacantes, embora a diferença de qualidade (e resultado) tenha sido maior do que o previsível. Parabéns à Rússia que confirmou que pode ter uma palavra a dizer no torneio, intrometendo-se entre o lote de favoritos.

Amanhã é dia importante para Portugal. A selecção parece, agora sim, focada no adversário e no jogo que será obviamente de dificuldade máxima.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Euro 2012 - Polónia-Grécia e Rússia-República Checa. Antevisão.

Grupo A - 1ª Jornada

Polónia-Grécia

É um jogo que aponta para empate. A Polónia joga em casa mas a Grécia tem mais futebol. Estando num grupo onde à partida a Rússia (treinada por Advocaat, também holandês, como Hiddink) parte com vantagem, existindo ainda a República Checa, adversário que sempre tem qualidade, Polónia e Grécia sabem que uma derrota neste primeiro jogo poderá ser altamente comprometedora. Ambas as equipas serão cautelosas e com toda a probabilidade privilegiarão a segurança defensiva. A haver vencedor inclino-me para dizer que será a Grécia.

Rússia-República Checa

Duas equipas semelhantes, no valor e na tecnicidade do seu futebol. Penso que a Rússia está mais forte. Antevê-se jogo bastante mais atacante do que o anterior, com golos.

Euro 2012 - Pontapé de saída

Começa hoje, na cidade de Varsóvia o Euro 2012. 16 equipas partem para a competição com ambições mais ou menos realistas. Para além do lote de favoritos (os principais, Espanha, Alemanha e Holanda e os outros França, Itália, Portugal e a própria Inglaterra) há que contar com a Rússia e as próprias selecções anfitriãs, Polónia e Ucrânia. Embora as probabilidades destas últimas estarem na final não seja elevada, há que contar com o factor casa (que se aplica de certo modo à própria Rússia), pelo que não será surpreendente se uma delas estiver nas meias finais.
O Euro começa precisamente com a Polónia a receber a Grécia (Grupo A), treinada por Fernando Santos. Desta selecção há a salientar a excelente fase de qualificação, a experiência do treinador português, o facto de ter vencido a competição há 8 anos e ainda o factor crise - o desejo de dar tudo pelo seu país para animar os compatriotas. A favor da Polónia joga o factor casa, sendo de resto uma selecção relativamente desconhecida... até dos gregos. O jogo é às 17.00h, com a transmissão RTP a começar às 16.30h. Às 19.45h jogam a Rússia e a República Checa (também do Grupo A) sem direito a transmissão televisiva em canal aberto.

O ser humano é naturalmente atraído pelo desejo de conhecer o futuro. As múltiplas previsões, desde as casas de apostas até às estranhas rábulas com animais (polvos, elefantes e até porcos) que se fazem por estes dias atestam, embora de forma um pouco degradada, essa aspiração, que data já da antiguidade. Na altura questionavam-se os deuses e as pitonisas, perscrutravam-se os céus e os astros, interpretavam-se sonhos e visões. O desejo de conhecer o futuro levou mesmo a indagações filosóficas, desde Aristóteles até aos filósofos modernos, passando pelos medievais que elaboraram uma doutrina dos "futuros contingentes". Apesar de todos os progressos da ciência e da quantidade de informação sobre o mundo material que ela possui, determinar o futuro persiste uma tarefa impossível.

Há sempre o imponderável. No futebol o imponderável é a sorte, a decisão do árbitro, um acto irreflectido ou negligente de um jogador que deita tudo a perder para a sua equipa. Por isso qualquer previsão é simultaneamente válida e irrealista. Sabemos a sua inutilidade, a sua irrelevância mas não deixamos de as fazer. Aliás, ao pé da crise, dos problemas, das grandes questões que se colocam à humanidade, o que é o futebol? A resposta mais simples é: uma diversão, algumas horas de prazer lúdico, de descontração. O jogo, a diversão são factores relevantes das nossas vidas. As "previsões" enquadram-se nesse âmbito.

Venha então o Euro e, para quem gosta, as previsões. Os resultados da sondagem deste blog (na barra direita) serão objecto de um post e no fim veremos em que medida eu próprio (que seleccionei o lote de favoritos) e os participantes estávamos perto ou longe do que virá a acontecer.

A bola começa a rolar dentro de menos de duas horas.

terça-feira, 5 de junho de 2012

Euro 2012: Manuel José alerta para "circo"


Manuel José, numa entrevista à TSF, critica duramente o ambiente de "circo" montado à volta da selecção com "passeios de autocarro e de coche" e entrevistas a toda a hora, quando nada ainda provámos e, acima de tudo, deveríamos estar a trabalhar concentrados para enfrentar os jogos extremamente difícieis que temos pela frente. A responsabilidade disso seria da FPF mas também Paulo Bento se teria deixado arrastar nessa deriva devido à sua inexperiência.

Pela minha parte concordo com Manuel José. Não se justificam tantas declarações, aparições e despedidas. Os jogadores deviam estar mais concentrados no seu ofício e menos em eventos sociais e encontros com a comunicação social.

Manuel José assinala também que a selecção está mais fraca do que no passado e que não é favorita. Apesar de tudo, com muito trabalho, união e espírito de conquista, acredita que poderemos - pelo menos - passar a fase de grupos. Um resultado positivo face à Alemanha é porém imprescindível para alcançar esse primeiro objectivo.

Euro 2012 - calendário de transmissões televisivas (completo à data).


CALENDÁRIO COMPLETO DE TRANSMISSÕES TELEVISIVAS EM CANAL ABERTO:


Data       Fase             Visitado                    Visitante            Canal
 8/6       Grupo A         Polónia      17.00h      Grécia             RTP1
 9/6       Grupo B       Alemanha    19.45h     Portugal           RTP1
10/6      Grupo C        Espanha     17.00h       Itália                SIC
11/6      Grupo D         França       17.00h     Inglaterra          TVI
12/6      Grupo A         Polónia      19.45h       Rússia            SIC
13/6      Grupo B       Dinamarca  17.00h      Portugal           SIC
14/6      Grupo C        Espanha    19.45h       Irlanda             TVI
15/6      Grupo D         Suécia      19.45h      Inglaterra         RTP1
16/6      Grupo A       R. Checa    19.45h       Polónia            TVI
17/6      Grupo B       Portugal      19.45h      Holanda            TVI
18/6      Grupo C          Itália         19.45h       Irlanda            RTP1
19/6      Grupo D         Suécia      19.45h       França             SIC
21/6         QF                 1A          19.45h          2B                    *
22/6         QF                 2A          19.45h          1B                    *
23/6         QF                 1C         19.45h          2D                    *
24/6         QF                 2C         19.45h          1D                    *
27/8         MF                 V1          19.45h          V3                   **

28/6         MF                 V2          19.45h          V4                   **
 1/7           F                                 19.45h                               RTP1

* RTP transmite dois jogos dos quartos de final, incluindo o de Portugal, se chegarmos a esta fase. TVI e SIC transmitem um cada.

**SIC transmite uma meia final, a de Portugal se chegarmos a esta fase, a TVI a outra.

A Sporttv transmite todos os jogos do Euro.

Veja também os outros posts sobre o Euro 2012 e vote na sondagem!

Proença no Europeu

À partida para o Europeu, Proença voltou a falar da arbitragem portuguesa como se fosse uma coisa espantosa que alguns mal-intencionados insistem em denegrir.
Proença deveria estar caladinho e concentrar-se em fazer um bom trabalho, antes de deitar foguetes, até porque as coisas ainda lhe podem correr mal. Não que eu o deseje, pois tenho por princípio não desejar mal às pessoas ainda que elas me possam ter feito mal. Mas é que às vezes, quando se fala demais, as palavras podem-se virar contra nós. Pela boca morre o peixe, diz o ditado.
O que é um facto é que Proença fez uma péssima época, com demasiados erros, alguns dos quais grosseiros e com influência directa não apenas em jogos mas no desfecho das duas competições nacionais mais importantes. E mesmo na Liga dos Campeões, pode-se dar por muito satisfeito pelo facto do penalty que não assinalou a favor do Chelsea não ter sido decisivo para a atribuição do título. Se Robben não tivesse falhado o penalty que, minutos após aquele, Proença assinalou, o Chelsea teria perdido o jogo e no fim ter-se-ia certamente queixado - e muito - da arbitragem.
Por isso, senhor Proença, seja menos vaidoso e preocupe-se em ser mais justo nos seus juízos. Talvez assim possa um dia ser um árbitro que mereça todos os prémios que está hoje - sem o merecer - a receber. Fale menos e apite melhor. Sobretudo em Portugal.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Registo de Portugal contra a Alemanha.



"O futebol são 11 contra 11 e no fim ganha a Alemanha", dizem os britânicos. E bem sabem o que dizem: em termos de Mundiais, a Alemanha é a selecção com mais presenças em finais (a par do Brasil): 7, tendo-se sagrado Campeã do Mundo por três vezes: 1954, 1975, 1990; no que toca a Europeus, a Alemanha esteve em 6 finais e venceu três: 1972, 1980 e 1996.

Melhor do que a Alemanha, só o Brasil, que venceu 5 Mundiais e 8 Copas da América.
A nível europeu, a Itália tem um melhor registo do que a Alemanha em Mundiais pois venceu 4 vezes (tendo perdido duas finais) mas pior em Europeus, que só venceu uma vez, em 1968 (tendo perdido a final de 2000).

Em termos de presenças em meias-finais de Mundiais, ninguém iguala a Alemanha: 12 presenças, contra 10 do Brasil, 8 da Itália, 5 do Uruguai e França. Ou seja, a Alemanha é a selecção que mais consistentemente está nas fases decisivas.

O registo de Portugal contra a Alemanha é misto. Nas três últimas competições que disputámos (Mundial de 2006, Europeu de 2008, Mundial de 2010) fomos derrotados pela Alemanha em duas delas: em 2006 perdemos o 3º lugar para a Alemanha (que jogava em casa) e em 2008 (no Europeu disputado na Áustria e na Suíça) fomos por ela eliminados nos quartos de final (3-2, com golos de Nuno Gomes e Postiga; Schweinsteiger, Klose e Ballack, com o marcador a evoluir de 2-0 para 2-1 e de 3-1 para 3-2).

Mas por outro lado foi Portugal quem impôs à Alemanha a sua maior derrota em fases finais, um verdadeiro banho na banheira de Roterdão, com a vitória por 3-0 no Euro 2000. Viríamos a ser eliminados nas meias-finais pela França com o célebre penalty já no fim do prolongamento a castigar uma bola no braço de Abel Xavier.

Portugal venceu ainda a Alemanha noutro jogo histórico, com o golo de Carlos Manuel em Estugarda a valer a qualificação para o México 86. Por outro lado, há o jogo de má memória no qual um senhor árbitro decidiu expulsar Rui Costa por alegadamente demorar a sair do campo quando ia ser substituído e perdemos a vantagem de 1-0 (grande golo de Pedro Barbosa). O empate conseguido pela Alemanha contra 10 significou o nosso afastamento do Mundial de 1998.

No total de embates, 16, Portugal venceu por três vezes, empatou 5 e perdeu 8. Se contarmos apenas os jogos para competições oficiais, o registo é: 8 J, 2 V, 3 E, 3 D.
Se considerarmos que a Alemanha é uma das maiores potencias do futebol mundial e a maior europeia, o registo não é de todo mau. Esperemos que no sábado o possamos tornar ainda mais equilibrado.

Euro 2012 - as chances de Portugal




1. Os jogos de preparação de Portugal não correram bem em termos de resultados. Mas correram bem naquilo que era o mais importante: ninguém se lesionou com gravidade. Lesões dos melhores jogadores antes dos torneios são coisas altamente penalisadoras. Inglaterra por exemplo, perdeu já Lampard, Barry e Cahill antes do torneio começar.

2. Numa competição como um Europeu na qual se jogam no máximo 6 jogos o factor sorte joga um papel muito importante. Há 8 anos Portugal era claramente a melhor selecção. Juntar Figo, Rui Costa, Deco, Maniche e Ronaldo (além de Pauleta e Simão) na mesma equipa é hoje quase inimaginável. No entanto perdemos com uma equipa apenas média, que como que nos hipnotizou, petrificou naquele triste jogo. Tiveram meia oportunidade e venceram o jogo. Por outro lado, poderíamos ter perdido logo nos quartos de final com a Inglaterra. Ou seja, o factor sorte desempenha um papel de enorme importância, pelo que todas as previsões (baseadas em factos e na lógica mas que não podem contar com o imponderável) são constantemente desmentidas.

3. Este ano a equipa de Portugal é inferior à de 2004 e de 2006, semelhante à de 2008 e 2010. Saiu Carvalho, que desde 2004 era um esteio da nossa defesa, Jorge Andrade, que terminou a carreira demasiado cedo, Miguel, que tinha muito pulmão e força e Bosingwa, que era um jogador semelhante, que dava muita certeza àquele corredor. João Pereira nos seus melhores jogos consegue disfarçar as carências mas noutros elas são demasiado evidentes. Bruno Alves é um bom jogador mas não tem a classe de Ricardo Carvalho. Pepe, por outro lado, está a um nível muito alto, sobretudo quando se concentra no jogo e deixa de lado as quesílias. Não temos um Costinha no meio campo, nem um Maniche, um Rui Costa ou um Deco. Dependemos muito de Ronaldo e de Nani, dois fora-de-série. Tudo ponderado, estaremos mais fracos do que nos anteriores torneios (exceptuando a África do Sul, onde tínhamos Queirós que "matava" a dimensão ofensiva da equipa) mas também não se vislumbram selecções tão fortes como no passado: mesmo a Alemanha, a Holanda e a Espanha (que me parecem as mais poderosas) não têm a dimensão de outros tempos.

4. O nosso grupo é provavelmente o mais forte e será muito difícil que dele não saia um finalista. Portugal pode emergir como primeiro classificado ... tal como qualquer outra das equipas, embora a Dinamarca me pareça a menos favorita. A sorte desempenhará portanto um factor importante, senão decisivo. Pelo que, a minha conclusão é a de que não vale a pena estabelecer muitas metas, nem criar muitas expectativas. Esse parece-me aliás o estado de espírito da maioria dos portugueses - até porque há mais vida para além do futebol, o que num cenário de crise como o que vivemos hoje se tornou demasiado evidente.

Faltam 4 dias para o pontapé de saída. Dentro de menos de um mês haverá campeão da Europa. Será curioso ler nessa altura este post e ver como a sorte tudo baralhou.

PS - Não referi a Itália, que parece ter uma das selecções mais fracas dos últimos anos, com inúmeros jogadores em fim de ciclo. No entanto a Itália tem sempre uma atitude competitiva muito forte e não pode ser descartada do lote de favoritos, pelo que a incluí na sondagem que promovo na barra direita do blog.