sábado, 16 de junho de 2012

Surpresas, golos e bom futebol

Melhorou - e muito - a qualidade do futebol na 2a jornada e no que já se jogou da 3a.

Bons jogos, com golos e emoção, especialmente o Dinamarca-Portugal e o Inglaterra-Suécia.
E eis que hoje chega a primeira grande surpresa, com o afastamento prematuro da Rússia, que eu aqui tinha apontado como potencial outsider e a qualificação da Grécia - parabéns a Fernando Santos que bem mereceu esta vitoria. Confirmou-se por outro lado, o afastamento da Polónia, que tínhamos apontado como inevitável logo na antevisão `a primeira jornada. Com a Rússia, o que me parece que se passou foi sobretudo falta de estrutura mental para saber gerir os momentos dos jogos e as emoções. O comportamento dos adeptos também não ajudou a criar um ambiente são `a volta da equipa.
Portugal enfrenta amanha um desafio de monta, como alias todos os jogos t^em que ser encarados numa competição deste tipo. O facto de partirmos numa posição privilegiada de nada serve se não tivermos a frieza e o espírito competitivo que se exige. Toda a equipa tem que estar ao seu melhor nível - e e' isso que todos os Portugueses esperam da sua selecção. Certamente os jogadores não nos desiludirão.
O Euro aquece...

terça-feira, 12 de junho de 2012

Euro 2012 - 1ª Jornada: pouco futebol e pouco dos favoritos.

A 1ª jornada da fase de grupos trouxe poucos golos e pouco futebol. Estamos numa fase ainda prematura da competição mas temo que o futebol cauteloso e defensivo venha a predominar.
Portugal foi aliás um exemplo disso mesmo, embora tenha como atenuantes o facto de não dispor já da qualidade de outros tempos e de ter defrontado uma das selecções mais forte. Negativo ainda é o facto de se ter já assistido a cenas de violência, esperando-se que elas não se repitam hoje, num jogo de alto risco entre a Polónia e a Rússia (19.45h na SIC).
De entre os favoritos, reconheço que a Espanha demonstrou poderio, frente a uma Itália cuja qualidade nunca pode surpreender quem acompanha regularmente o futebol. A este propósito assinalo que na sondagem que aqui promovemos, aqueles que votaram atribuiram o maior favoritismo à Espanha, seguida de Portugal, Alemanha e Holanda. Quase ninguém apostou na Itália, na França e na Inglaterra.

Face a estes dados e aos resultados, creio que não andarei muito longe da verdade se disser que do lote Espanha, Alemanha, Itália sairá pelo menos um finalista. Que a França e a Inglaterra, sobretudo esta última, praticamente não mostraram nada e muito dificilmente irão longe na competição. Que Holanda e Portugal dependem dos jogos de amanhã para se manterem na competição e que se o conseguirem poderão ganhar uma dose extra de ânimo que lhes permita intrometerem-se entre os favoritos (Holanda perdeu para mim esse estatuto com a derrota com a Dinamarca e as evidentes divisões no plantel, ao passo que Portugal, na minha opinião, sempre foi um outsider). E finalmente, que a Rússia poderá chegar às meias finais, tal como, dependendo do sorteio e considerando que joga em casa, a própria Ucrânia.

Já a Polónia mostrou muito pouco na 1ª jornada e uma derrota hoje significará o adeus prematuro - e doloroso para os adeptos - ao Euro. É verdade que Portugal organizou o Euro em 2004 e que perdeu na primeira jornada, precisamente contra a Grécia (Polónia empatou, mas contra 10). Também é verdade que seguidamente jogou, sem qualquer margem de erro, com a Rússia - exactamente como a Polónia. Simplesmente as semelhanças acabam aí - Portugal tinha uma equipa de luxo e a Rússia não tinha a qualidade de hoje. Antevejo portanto más notícias para a Polónia, mesmo que elas não sejam definitivas já esta noite.
Quanto ao jogo das 17.00h, transmitido apenas pela Sporttv, antevejo equilíbrio. São duas selecções muito diferentes (uma que gosta de atacar, outra que joga no erro adversário) mas que se por via do aspecto táctico se poderão quase equivaler. A República Checa tem muito pouca margem de erro mas a Grécia também sabe que uma derrota a deixa numa situação quase desesperada. Em termos de previsão, parece-me apesar de tudo que a República Checa é mais forte e poderá vencer. Resta ao nosso Fernando Santos montar um esquema que faça com que isso não aconteça.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Euro 2012 - últimos a entrar em campo



Jogam-se hoje os dois últimos jogos da primeira jornada da fase de grupos do Euro 2012. Entrarão em campo França, Inglaterra, Suécia e o segundo país anfitrião Ucrânia.
Antevê-se um dia interessante sobretudo por via do França-Inglaterra às 17.00h. São dois rivais históricos que não têm estado bem nas últimas fases finais. Em relação à Inglaterra, muito embora continue a ocupar um lugar importante no panorama do futebol mundial, a verdade é que há décadas que está arredada dos jogos decisivos, mais ainda dos títulos. Na realidade venceu apenas o Mundial de 66 e sabemos como. De resto os ingleses queixam-se de uma mão de Maradona em 86 e de um golo não sancionado há dois anos contra a Alemanha. É pouco.
Já a França após os títulos de 98 (Mundial) e 2000 (Euro) voltou "apenas" a estar na final do Mundial de 2006 (perdida com a Itália, na última participação da geração de Zidane), não tendo passado da fase de grupos nos dois últimos torneios.
São portanto dois outsiders, a Inglaterra ainda mais do que a França.
A minha previsão é a de que haverá golos e um jogo interessante. A Inglaterra poderia tentar capitalizar a vitória do Chelsea na Champions (ainda que sobretudo a nível psicológico na medida em que ela foi conseguida sobretudo graças a jogadores não ingleses) mas esse factor ter-se-á em larga medida dissipado por efeito de lesões muito penalisadoras: Lampard, Barry e Cahill.
A França tem neste momento mais mecanismos de equipa e mais qualidade em termos de jogadores, com destaque para Evra (que, em contraste com o valor futebolístico, parece dado a episódios caricatos), Ribéry e Benzema.
Não posso portanto deixar de antecipar uma vitória da França, apesar da imprevisibilidade do futebol, acentuada neste tipo de confrontos históricos.
O jogo França-Inglaterra é transmitido às 17.00h na TVI.

Interessante será também o jogo seguinte, sobretudo por permitir dar a conhecer a selecção da Ucrânia, país anfitrião, cujo valor é em larga medida uma incógnita. Já a Suécia tem desiludido nos últimos anos, parecendo demasiado dependente de Ibraimovic. Não considero existir um favorito claro, pelo que, jogando "à defesa", aposto num empate.

domingo, 10 de junho de 2012

Dia 3 - antevisão

Dois jogos interessantes em perspectiva, embora muitíssimo diferentes.

Espanha-Itália é um jogo entre o maior favorito da prova e um favorito a qualquer prova. O resultado é totalmente imprevisível, até porque (que eu me lembre) a Espanha nestes dois últimos campeonatos que venceu apenas jogou contra uma selecção latina e foi precisamente Portugal. Apesar das limitações da nossa selecção de há dois anos, perdemos por 1-0 e poderíamos até ter conseguido o empate. Já depois disso vencemo-la num jogo particular por estrondosos 4-0!

Espanha vai jogar contra uma equipa cínica e matreira que não lhe vai facilitar a vida de modo nenhum.
Nestes casos o prognóstico mais seguro é o do empate. É um prognóstico à defesa, é verdade, mas trata-se realmente de um jogo de tripla.

Já o jogo seguinte entre a Irlanda e a Croácia coloca em jogo duas das equipas mais fracas do Europeu. Se a Croácia ainda tem qualidade técnica, a Irlanda nem isso. Está qualificada unica e exclusivamente por "culpa" de Trapattoni. A Croácia gosta de atacar e a Irlanda gosta de defender, pelo que não me surpreenderia se esta última vencesse, a jogar em contra-ataque.

Euro 2012 - Infelicidade

Portugal voltou a não ter sorte. É verdade que o domínio da maior parte do jogo foi da Alemanha mas as ocasiões mais claras foram de Portugal.
É assim. Há equipas e países com sorte e há outros que a não têm. É uma realidade e quem o negar na minha opinião fá-lo apenas para dar uma aparência de intelectualidade, de estar "acima" dessas justificações corriqueiras. Para mim, pelo contrário é uma pura realidade, insofismável.

Claramente, Portugal não é, como nação futebolística, pior do que Dinamarca e Grécia. E no entanto estes dois países já foram campeões europeus. Para mim tiveram nesse ano a sorte que nós nunca tivemos.

Outro exemplo: Portugal perde sempre contra a França. Será que a França mereceu ganhar todos os jogos? Será que nunca jogámos melhor do que eles? O que dizer da defesa de Barthez a cabeçada de Abel Xavier? Da cabeçada de Figo no mundial de 2006, a minutos do fim? Dos penalties com que perdemos nos últimos jogos? Da derrota em 1984 por 3-2 com golos franceses nos últimos minutos do jogo? Para mim é evidente nunca tivemos sorte contra a França.

E o que dizer da Itália? Não é evidente que é uma selecção com imensa sorte?
O que dizer da forma como o Chelsea é campeão europeu este ano?

Sorte, sorte, sorte.
Esta noite voltou a não querer nada connosco.