sábado, 18 de maio de 2013

O campeonato está entregue

As hipóteses do Porto perder pontos em Paços de Ferreira são praticamente nulas.
A "máquina" está em movimento e tudo está arranjado para que de uma maneira ou de outra nada falhe. Há mesmo uma probabilidade alta do resultado ser bastante desnivelado - por exemplo um 4-0. É que o Porto, além de ser superior ao Paços, não deixa nada ao acaso e está a operar em várias frentes, nomeadamente a da intimidação e do terror psicológico. Algo que já aconteceu aliás na passada semana aquando da nossa visita ao dragão: apesar do dispositivo de segurança montado (o maior de sempre), a polícia ainda teve que disparar tiros.
No Porto impera a lei do mais forte. E o mais forte é o Futebol Clube do Porto com a sua "estrutura" e os seus braços armados que ninguém consegue (ou quer) controlar - desde a polícia aos tribunais.
 
Nesta medida nem sequer é muito justo estarmos a pedir ao Paços de Ferreira para se empenhar muito para evitar o desfecho mais do que previsível. O que têm o Paços e os seus jogadores afinal a ganhar? Nada, pois a sua classificação está já estabelecida. O que têm os jogadores e o clube a perder? Muita coisa! Para já jogadores e treinador arriscam-se a ser alvo de represálias imediatas, mesmo no seu próprio campo. O ambiente à volta do relvado e mesmo na cidade será de grande intimidação. No futuro, através dos seus orgãos de poder manietados na Federação, na Liga, na arbitragem, nos observadores, nos empresários, o Porto far-lhes-ia a vida negra.
 
Para quê então estarem-se a meter em trabalhos?
 
Compare-se esta situação com a do jogo entre o Benfica e o Estoril e ficaremos a perceber porque é que é tão difícil ao Benfica ser campeão, ao passo que o Porto  é campeão praticamente sem ter que se mexer. Acrescente-se a isto a questão arbitragem e perceberemos que é mesmo quase impossível o Benfica ser campeão. Foi por isso que em dada altura aqui disse que o Benfica praticamente deveria tirar o sentido de ser campeão e dedicar-se apenas às provas europeias.

Dito isto, é bom estarmos devidamente preparados e não termos nenhum tipo de ilusão, para amanhã não voltarmos a ter nova desilusão. Foram já demasiadas nas últimas semanas. Desta vez e ao contrário de quase sempre, digo: eu NÃO acredito.

Pesadelo acaba amanhã

Era uma época de sonho mas tornou-se um pesadelo. Todos andávamos de facto nas nuvens. Com qualidade do nosso futebol, os espectáculos proporcionados, os golos, a dedicação dos nossos jogadores, a sua abnegação e espírito de sacrifício, o apoio entusiástico dos adeptos, a Luz a reviver os seus melhores tempos e afervilhar de emoção. Emoção positiva, sem cânticos ofensivos dedicados a rivais que não estão em campo. Emoção benfiquista, alegria popular.

Quem anda nas nuvens por vezes tem que ser chamado à terra. Mas no nosso caso não foi isso que aconteceu.

Não! - de repente e sem qualquer aviso, sem que tenhamos feito nada que o pudesse causar, o sonho tornou-se  num pesadelo, um autêntico filme de terror que estamos a viver há duas semanas. Quando parece que não pode ser pior, eis que novo requinte de malvadez nos é inflingido.

Mas não se preocupem. O pesadelo acaba amanhã. Acabam amanhã as insónias, os maus humores, as frustrações. Felizmente, pois não sei quanto mais tempo aguentaríamos. O pesadelo acaba amanhã - para bem da nossa saúde e das nossas famílias.

Depois fica só a faltar o epílogo.

sexta-feira, 17 de maio de 2013

URGENTE AGIR - APELO AO PRESIDENTE

Independentemente do que aconteceu ao Benfica nos últimos jogos, independentemente até do nosso falhanço (esse sim, mais indesculpável) frente ao Estoril, O CAMPEONATO AINDA NÃO ESTÁ DECIDIDO.

Se há equipas capazes de tirar pontos ao Porto, sobretudo em casa, o Paços de Ferreira é uma delas.

Nesta medida e tendo vindo a público vários rumores nos últimos dias, o Presidente do Benfica deve inteirar-se sobre:


  • SE HÁ OU NÃO PRESSÕES E AMEAÇAS A SEREM EXERCIDAS SOBRE JOGADORES DO PAÇOS DE FERREIRA;
  • SE HÁ ALICIAMENTOS A JOGADORES DO PAÇOS COM ACENAR DE CONTRATOS FUTUROS OU MESMO COM COMPENSAÇÕES FINANCEIRAS (SUBORNOS) PARA FACILITAR;
  • SE OS JOGADORES DO PAÇOS SE SENTEM LIVRES PARA PRATICAR O SEU FUTEBOL OU SE PELO CONTRÁRIO ENTRARÃO EM CAMPO CONDICIONADOS OU MESMO COAGIDOS;
  • SE HÁ PROPOSTAS A DIRIGENTES DO PAÇOS PARA TROCAS DE FAVORES;
  • SE HÁ OU NÃO DIRIGENTES OU ENVIADOS DO PORTO A CIRANDAR PAÇOS DE FERREIRA.


Como é que isto se faz? Estando no terreno e falando com as pessoas. Sendo inteligente e detectando certos sinais.

MAIS UMA VEZ, É A VERDADE DESPORTIVA QUE ESTÁ EM CAUSA.

Certamente que o Porto pode ganhar o jogo (tem qualidade para isso) sem quaisquer favores de ninguém e por indiscutível mérito. Mas o uso por parte dos seus dirigentes de um conjunto de métodos no passado exige que estejamos alerta.

SOFRER DUAS DERROTAS NOS DESCONTOS NÃO NOS PODE LEVAR A ABDICAR DA NOSSA LUTA PELA VERDADE DESPORTIVA! Não está escrito em nenhuma regra que por perder com o Porto não possamos ser campeões.

AO PAÇOS SÓ EXIGIMOS SERIEDADE E RESPEITO POR UMA COMPETIÇÃO NA QUAL ALCANÇARAM O LUGAR QUE ALCANÇARAM POR MÉRITO PRÓPRIO, NADA MAIS.

AOS DIRIGENTES DO BENFICA VIGILÂNCIA.

O PAÇOS PODE TRAVAR O PORTO TAL COMO O ESTORIL EMPATOU O BENFICA - MAS PARA ISSO É PRECISO QUE NÃO HAJA BATOTA.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

A grandeza e a medíocridade

Foi extraordinário, comovente, ver a recepção que centenas de adeptos do Benfica deram à sua equipa.

Insisto na ideia: somos um País chagado pela crise, pelo desânimo, que todos os dias assiste nas televisões a novas más notícias, a conflitualidade permanente na classe política, a cortes e mais cortes nos rendimentos das pessoas, desemprego e mais desemprego, recessão e mais recessão. Neste contexto, as alegrias, as vitórias no desporto poderiam ser uma forma de pelo menos dar alguma razão para celebrar, para elevar um pouco os nossos egos, ter alguma alegria.

Mas não: em 2004 perdemos ingloriamente uma final de um Europeu contra a Grécia, em 2006 a possibilidade de estar na final de um mundial com um penalty discutivel contra a França, em 2012 não chegamos à final perdendo em penalties contra a Espanha, depois de termos sido melhores durante o jogo. No ténis somos uma nulidade, nos desportos motorizados quase inexistentes, no râguebi os nossos amadores, apesar de toda a dedicação, sofrem derrota atrás de derrota, nos jogos olímpicos estamos entre os mais fraquinhos.

Em devido tempo escrevi sobre isto. Em termos de futebol de selecções, Portugal é considerada a melhor equipa a nunca ter ganho um troféu. No momento da verdade sempre há uma decisão arbitral desfavorável, uma bola que caprichosamente não entra, um jogador que falha, um azar, que nos fazem perder. E nos últimos anos temos que assistir às celebrações constantes dos nossos vizinhos espanhóis, nalguns casos resultantes de vitórias sobre nós.

Em relação ao Benfica, penso que 7 finais perdidas consecutivas dizem tudo. Estou seguro praticamente a 100% de que é algo sem paralelo no mundo. Nenhuma outra equipa terá sequer 4 finais seguidas perdidas (pelo menos no futebol europeu) quanto mais 7.

É de facto insólito.

Se pensarmos que em 7 finais defrontámos adversários muito diferentes em termos de qualidade, de tipo de futebol, oriundos de diferentes países; que nuns casos éramos favoritos, noutros não, nuns casos tínhamos equipas mais fortes e talentosas, noutras mais trabalhadoras e de "carregadores de pianos"; nuns casos os jogos foram de uma maneira e noutros de outra, custa muito a crer - e mais ainda a aceitar - que tenhamos perdido as 7.

Esta nova final perdida surge ainda por cima dias depois do jogo com o Porto, em relação ao qual já disse tudo, que por sua vez se tornou decisivo apenas porque não fomos capazes de vencer o Estoril em casa, com a Luz cheia e tendo criado oportunidades para marcar pelo menos 3 golos nos primeiros 15 minutos. É bruxedo, só pode ser bruxedo.

Por favor não me falem de erros porque todos erram, simplesmente os nossos erros têm sempre a consequência mais gravosa (dão golos) ainda por cima nos segundos derradeiros dos jogos, quando quase já não há reacção possível.

Está tudo contra nós: há dois anos o Porto vence a Liga Europa com um golo em fora de jogo de Falcao. Ontem o Benfica podia ter ganho a Liga Europa com um golo legal de Cardozo, que o fiscal anula por fora de jogo. Seria o 1-0, muito provavelmente venceríamos o jogo.

Perante tamanhas adversidades os adeptos do Benfica têm tido uma postura notável, exemplar, digna de ser destacada. Ter centenas de pessoas a aplaudir os jogadores e técnicos já madrugada dentro, depois de duas derrotas tão duras e tão injustas, mostra toda a sua humanidade, o seu reconhecimento do esforço de todos. Celebrar vitórias é fácil, apoiar depois de derrotas - ainda para mais estas - demonstra uma grandeza que deve ser enaltecida - e uma grande coragem. Parabéns a todos os que lá estiveram.

Depois temos os ideiotas que vêm fazer comentários para as redes sociais, os que vêm falar de "castigo" pela "fanfarronice" (!!!), os que festejaram estes momentos (!!), os que vêm falar do quase.

Isto depois de Van Hooijdonk ter dito isto: «Como adepto do Benfica estou muito desapontado. Só houve uma equipa a merecer vencer. Infelizmente aconteceu o mesmo do jogo do FC Porto, no sábado. Com um golo no período de compensação. Sinto muito pelos adeptos do Benfica, foram fantásticos. Só faltaram os golos, deviam ter marcado mais. O futebol pode funcionar contra ti. (os jogadores) Nunca se mostraram cansados. Foram criativos, fizeram o mesmo que no jogo com o Fenerbahçe, mas não com o FC Porto. Dominaram todo o jogo. Aliás, estava com outros ex-internacionais, como o Ronald Koeman e Ronald de Boer, e estavam todos entusiasmados pela forma como o Benfica jogou. Fico triste pelo facto de a melhor equipa não ter ganho», declarou, aos microfones da Sic Notícias, o antigo goleador.

Depois do tenista Djokovic ter dito isto: «Bom trabalho Ivanovic e parabéns ao Benfica, uma das minhas equipas favoritas, por ter chegado à final! Nemanja Matic, Sérvia», afirmou Djokovic, na rede social Twitter.

Depois de Cruif ter dito que a melhor equipa não ganhou, depois de Ramires, jogador do Chelsea (!) ter dito "O Benfica merecia ter ganho".

Realmente Portugal tem muitos estúpidos. Estúpidos que odeiam o Benfica e constituem um factor de atraso para o País. E atenção - houve muitos adeptos do Sporting que estiveram juntamente connosco a torcer pela vitória do Benfica. E mesmo alguns do Porto. Obviamente não falo contra eles, nem sequer contra aqueles que, em virtude da rivalidade, têm dificuldade em apoiar o Benfica mas pelo menos têm a decência de, numa altura destas, ter um mínimo de respeito. Falo dos idiotas, dos medíocres que se comprazem com a tristeza dos outros, tal a sua inferioridade mental. Insisto, gente desta, sem educação nem nível (e são muitos, independentemente do estrato social), constitui um factor de atraso para Portugal.

Contra tais forças é impossível

Mais um jogo, mais uma derrota por 2-1, mais um golo no segundo minuto dos descontos.
Piada? Provavelmente, mas o autor deste enredo ou é muito cruel ou nos está a reservar alguma alegria quase inimaginável.

Porque quase inimaginável é a dor dos benfiquistas depois de dois socos no estômago, uppercuts dados por um peso muito pesado.

Dizer que o Benfica não o merecia é um eufemismo.

No fim da primeira parte, o Benfica tinha vulgarizado por completo o Chelsea e criado múltiplas ocasiões de golo. Mas já desde o jogo com o Estoril que há sempre alguma coisa que corre mal no momento da decisão: ou a bola fica uns centimetros mais à frente ou mais atrás do que devia para o avançado concretizar, ou há um adversário que intercepta, ou o guarda-redes faz uma defesa milagrosa ou o nosso jogador se atrapalha. Assim aconteceu novamente e nenhuma bola entrou naqueles primeiros 45'. Eu vi logo o que nos estava destinado.

Aliás, para dizer a verdade toda, acordei esta manhã a pensar que tínhamos perdido o jogo. Naqueles momentos em que flutuamos entre o sono e o despertar, racionalizei e disse-me a mim mesmo que isso poderia não ser verdade - se ainda não tínhamos jogado, como podíamos já ter perdido? Apesar da lógica inatacável do raciocínio não me consegui porém convencer, - aquela impressão tinha sido demasiado forte.

Voltando ao jogo e à forma como o vivi, veio a segunda parte e vejo o Benfica a entrar novamente muito forte (quando supostamente o Chelsea era a equipa mais poderosa e o favorito), criando em três lances boas ocasiões: uma pela direita, uma pelo centro e uma pela esquerda. Convenci-me de que era mesmo possível. E depois vem o golo de Torres e o inferno a aparecer novamente à frente dos meus olhos. Como era possível? Para além de uma bola que mudara de trajectória em pleno ar, o Chelsea não tivera uma ocasião?

E eis que o Benfica não desiste, parte novamente para a frente, depois de uma curta fase de desorientação e abalo. E vem o golo, que Cardozo dedica à sua Mãe.

E continua o Benfica a atacar e Cardozo tem um remate indefensável... que é defendido.

E vem um remate monumental de Lampard que bate na barra.

E, no minuto fatídico, uma jogada perdida sobre a linha de fundo, que Ramirez chuta contra Jardel dá canto. A bola vem bombeada... alívio. Mas... no meio da trajectória, a bola que parecia seguramente ir para fora afinal é inteceptada por um jogador do Chelsea. Cabeceamento, a bola parece parar no ar, Artur não se mexe (mau sinal) e aparece dentro da baliza.

Pesadêlo, obra de bruxaria, infortúnio insuportável para quem não o merecia.

O Benfica trabalhou e lutou muito nesta época, fez um jogo espantoso contra o campeão europeu, dominou a maior parte do jogo. Ninguém merece desfechos tão cruéis em duas partidas seguidas. Acontecer ao Benfica, depois de tudo o que fez e jogou, com uma mobilização de adeptos como a que aconteceu esta época, equipara-se a um sadismo muito retorcido. Num País tão chagado pela crise e a tristeza, nem uma mera alegria desportiva nos é concedida.

Estou, como é evidente, muito triste. Ver os jogadores do Benfica no relvado e o treinador Jorge Jesus na conferência de imprensa é desconsolante.

Aparentemente não podemos ser felizes.

É a 4ª final europeia do meu tempo de vida e a 4ª derrota. É a 7ª derrota seguida do Benfica em finais europeias.

Quando defendemos é porque defendemos, quando atacamos e jogamos melhor perdemos na mesma.

Quando jogamos mal perdemos justamente, quando jogamos bem... perdemos injustamente.

Jogando esta final à partida contra um adversário mais forte (recorde-se que o Porto jogou as suas últimas 3 finais europeias contra o Celtic, o Mónaco e o Braga...) e com um orçamento muito superior, sendo apesar de tudo capaz não apenas de equilibrar mas mesmo de ser largamente superior, com a sorte a estar constantemente contra nós, de costas voltadas para o Benfica, torna-se impossível.

Perder assim custa muito e a isso se poderão dever as palavras finais de Jorge Jesus na conferência de imprensa: "esta derrota aqui vai levar-me a pensar muita coisa".

Quanto a certos comentários que já li por parte de adeptos adversários, só provam uma coisa: há muita gente que não presta.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

A Águia partiu para Amsterdão

Logo à noite vai voar bem alto.



 
Todos nós só temos um pedido: no regresso, traz-nos esta Taça!

terça-feira, 14 de maio de 2013

Amanhã quero que JJ se volte a ajoelhar

Mas desta vez com os braços erguidos para cima, para agradecer aos Céus uma conquista histórica.

Jorge Jesus merece e o Benfica também.

O Benfica como instituição, os seus jogadores e sobretudo os seus adeptos que tanto têm dado ao clube, muito em particular nesta época. Que os últimos jogos façam dela um marco memorável da nossa história.

Amanhã quero ver Jorge Jesus voltar a ajoelhar e todo o País e milhões de Portugueses e seguidores do Benfica por todo esse mundo fazerem o mesmo. Um ajoelhar de semi-incredulidade mas de profunda alegria. Um ajoelhar de coração cheio!

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Tragam essa Taça!

Força benfiquistas.

Sofri muito sábado, mas também senti desde então um tremendo conforto e força de todos os benfiquistas que sofreram como eu e tiveram a força para conseguir encaixar o embate e levantar-se. Para jogar de novo, para tentar encaminhar uma época que tem sido tão espantosa para o desfecho que merecemos.

O medo é natural e humano, mas a capacidade de não ceder ao medo é a virtude que se chama de coragem. O sofrer e sentir a desilusão também são humanos - a tentação de desistir paira - mas a capacidade de nos erguermos de novo e enfrentar novo desafio, não cedendo ao desânimo, constituem a temperança e a fé.

Isso tenho sentido por parte de todos os benfiquistas, que vejo acreditarem na equipa apesar das adversidades.

Todos sabemos que o Chelsea é uma potência do futebol, que é favorito, que é o Campeão Europeu. Ainda assim acreditamos que é possível vencer.

Entre Chelsea e Benfica só um poderá vencer depois de amanhã. Tenho esperança de que seremos nós. Independentemente do resultado estarei com o Benfica antes, durante e após o jogo.

Este é um momento singular na história de um clube. Esta é uma grande final, entre dois clubes com uma grande história - uma mais antiga e outra mais recente - nas competições europeias. O Benfica é bicampeão europeu, títulos alcançados em 61 e 62, venceu a Taça Latina em 1950 e esteve em mais 5 finais da Taça dos Campeões (63, 65, 68, 88 e 90) e uma final da Taça UEFA (82). O Chelsea é campeão europeu em título (2012), venceu duas Taças das Taças (71 e 98) e esteve na final de 2008 ganha pelo Manchester United.

Estamos onde estamos por mérito próprio, sem ajudas nem favores de ninguém. Conseguimos dar a volta à eliminatória das meias finais na qual tivemos dois penalties contra. Eliminámos o Bayer Leverkusen, 3º classificado da Alemanha a seguir aos actuais dois finalistas da Champions, com vitórias nos dois jogos. Eliminámos o Bordéus e o Newcastle.

23 anos depois voltamos a estar numa final por mérito próprio. Isso está adquirido e ninguém nos pode tirar. Falta agora o passo seguinte: vencer o jogo e trazer o troféu.

Força Jorge Jesus, força atletas do Benfica. Vocês conseguem.

Tragam essa Taça!

Reagrupar, sarar feridas e tentar fazer história

A derrota de sábado é obviamente duríssima, já escrevi muito sobre isso mas não podemos atirar a toalha ao chão.
A quente dizemos muitas coisas e ontem obviamente sofremos o que não merecíamos, quando já ninguém acreditava que fosse possível. Agora porém há que olhar para a frente.
E para a frente é Amsterdão.

É possível!

O Benfica parte sem ser o favorito, sem essa pressão e com o orgulho ferido.

O Benfica está a fazer uma época excepcional que uma semana má não pode destruir.

O Benfica, adeptos, jogadores, técnicos e dirigentes, todos merecemos- agora ainda mais - ser felizes.

Estamos magoados, desiludidos, machucados. Mas não vamos desistir.

Vou acreditar, mais uma vez. E vós?

domingo, 12 de maio de 2013

Deitar tudo a perder numa semana - do sonho ao pesadelo

Da época de sonho, o Benfica passou em menos de uma semana a um grande pesadelo.

A comparação com o Sporting de Peseiro é óbvia mas, acreditem-me, esta pode ser bem pior - ou melhor dependendo do que aconteça quarta.

O Sporting de Peseiro que perdeu tudo chegou onde está hoje - a lutar pela sobrevivência.

O Benfica está num momento chave. Uma eventual derrota em Amsterdão pode-nos levar para perto do abismo.

Porque o que acontece é isto: os benfiquistas deixarão de acreditar. E é perfeitamente normal que assim aconteça. As críticas a JJ choverão, a instabilidade aumentará, alguns jogadores sairão no fim da época, o desânimo e o sentimento de que não vale a pena instalar-se-ão.

Num ano, 2010/2011 foram as desilusões e as humilhações: perder 5-0 no dragão, perder o campeonato para um Porto invicto que celebrou o campeonato na Luz às escuras, ser eliminado da final da Taça depois de ganhar 2-0 no dragão, perder a meia final da Liga Europa para o Braga. Noutro foi o desbaratar de 5 pontos de vantagem ao dobrar a primeira volta, com os árbitros a roubar. Noutro perder o campeonato nas 3 últimas jornadas quando tinhamos 4 pontos de vantagem.

Perdido o campeonato, perdendo a Liga Europa, torna-se difícil pedir aos adeptos para apoiar e acreditar. Para quê? Para sofrer como se sofreu ontem? Para morrer na praia? Para ver os outros celebrar, rir e gozar-nos na cara?

É um pouco demais.

E faz-nos pensar em algumas coisas: durante toda a época o Benfica não falou de arbitragem, não respondeu às provocações do Porto, não falou da renovação de Jorge Jesus e Luis Filipe Vieira manteve-se em silêncio.

Depois da vitória contra o Fenerbahçe, Luis Filipe Vieira deu uma entrevista, disse que Jesus era o seu treinador até 2014, Gabriel veio fazer uma conferência de imprensa a atacar o Porto e a falar de casos de arbitragem.

Desde então aconteceu o que está à vista.

Quarta-feira é mais uma prova de fogo. O que já aconteceu, sendo doloroso e quase inacreditável já não pode ser modificado. Não o apagando, uma vitória na Liga Europa seria um feito para recordar e um motivo de alegria. Uma derrota ameaça colocar o Benfica no caminho do Sporting. A desmobilização dos adeptos será uma realidade.

Não me interessa aqui apontar "culpados" por isso mas as responsabilidades por um eventual falhanço numa época que tinha tudo para correr bem terão que ser assumidas por alguém.

Não quero dizer muito mais, obviamente estou muito desapontado e desiludido e não quero deixar que isso me faça ser injusto seja com quem for.

Mas digo apenas mais isto: o timing da renovação com Jorge Jesus era antes do jogo com o Porto. Ou, se aquilo que Vieira disse é verdade, que JJ é o seu treinador até 2014, antes da Final da Liga Europa. Caso contrário pura e simplesmente não tinha dito rigorosamente nada sobre o assunto - muito menos na véspera do jogo com o Estoril, quando pensava que pelo menos o campeonato e a Taça estavam já ganhos e as suas declarações pareceram uma tentativa de pressionar JJ a renovar ou mesmo de colher louros pelos sucessos que pareciam inevitáveis. Nessa altura Vieira objetivamente desestabilizou e introduziu um factor de perturbação no que devia ser uma concentração total para esse jogo.

Pode não haver relação de causa e consequência ou efeito entre as duas coisas mas infelizmente houve esta sucessão de eventos.

Volto a dizer: muita coisa está em jogo na quarta-feira. .

E não me peçam para acreditar: acreditar não ganha jogos, tal como os vídeos motivacionais e nem sequer o "apoio" à equipa. Como se viu com o Estoril ou ontem no dragão.

Demasiado mau para ser verdade - e agora?

O que aconteceu ontem é de uma injustiça atroz, de uma infelicidade inconcebível.
É daqueles jogos que nos fazem pensar que não faz sentido sofrer desta forma por um jogo em que a sorte pode decidir tudo.
Não tenham ilusões - o campeonato, que praticamente estava ganho segunda-feira às 20.00h, já foi.
E o campeonato era a prioridade este ano.

É triste, é injusto, é quase sádico, da parte da força que rege as coisas deste mundo, chamemos-lhe providência ou destino fazer-nos uma coisa destas.

O Benfica foi claramente a melhor equipa do campeonato até à jornada 28, em que aconteceram coisas um pouco estranhas, como a exibição "esfomeada" do Estoril e a facilidade com que o Nacional entregou o jogo. Um ladrão será sempre um ladrão e portanto o presidente do Porto, que hoje todos bajulam mais uma vez, não se tornou agora honesto. Nessa medida a estranheza não é infundamentada.

(Excusam aliás de vir aqui colocar comentários a dizer que esta é uma falsa questão porque não é. E eu não me cansarei aqui de falar neste assunto porque uma coisa é o Estoril jogar de forma séria, outra é comer relva como se a sua vida dependesse desse jogo. Se o Nacional tivesse tido aquela atitude provavelmente teríamos sido campeões na jornada passada).

Com o Estoril, o Benfica, em todo o restante campeonato dominador e praticamente vencedor (tínhamos até então 4 empates: com Porto, sem casos, com Braga, com golo mal anulado, com a Académica, com dois penalties xistrados, e com o Nacional com duas expulsões), foi dominado em grandes espaços do jogo e empatou a custo.

O destino é demasiado cruel com Jesus, que foi um homem sempre respeitador dos adversários desde a 1ª jornada, nunca falou mal do Porto, do Braga ou sequer do Sporting, sempre teve uma postura correcta mesmo quando foi alvo de ataques vis de um estrunfe que faz de treinador e que lança kelvins e liedsons em desespero e a quem esse mesmo destino entrega de mão beijada dois campeonatos.

O destino é demasiado cruel com Jesus, insisto, por várias razões. Os ataques de que o homem foi alvo por parte do estrunfe: "O Benfica é sempre o favorito e depois o Porto chega e ganha sempre". Se JJ falasse desta maneira como seria crucificado por todos por ser arrogante e pesporrento! "O treinador do Benfica é um egocêntrico", "O Benfica é isto: pontapé para a frente", "o outro clube...", etc, etc. E isto para não falar das "liga capela" e outras coisas que tais.

E no fim ainda se fica a rir, vencendo num ano com um golo em fora de jogo e no outro com um autogolo e um golo caído do nada no período de descontos QUANDO O BENFICA DOMINAVA E AMEAÇAVA ATÉ MARCAR!

E ainda existem criaturas que se intitulam benfiquistas e dizem que Jesus estava a jogar para o empate e que isto e que aquilo! POIS SE SOFREMOS UM GOLO EM CONTRA ATAQUE SENHORES?!!? Quanto muito deveríamos era ter defendido mais!

O destino é cruel com JJ porque se ele tem jogado contra o Estoril com alguns "suplentes" e o resultado fosse o mesmo, seria duramente criticado. Tendo jogado com os "titulares", na convicção de que depois poderia descansar alguns no dragão, acontece-lhe o que aconteceu.

O destino, sendo de uma crueldade que roça o sadismo com Jesus, trazendo felicidade imerecida a quem tão mal falou, a quem foi arrogante e desrespeitador, a quem tão pouco jogou durante a época, coloca o mesmo Jesus numa posição difícil.

A questão é que o tal "fantasma" Porto que já existia no passado se tornou monstruoso com Jesus. Neste momento os números começam a ser assustadores: em 4 épocas (8 jogos) Jesus ganha uma vez ao Porto! Perde 5 e empata 2. Uma das derrotas é por 5-0! Outra dá o título de campeão ao Porto na Luz. Outra dá a inversão de posições no campeonato (no ano passado) e a de ontem dá o campeonato ao Porto. Jesus, sublinho, só venceu o Porto (para o campeonato, nada do resto me interessa neste momento) uma vez: 1-0 com golo de Saviola. Não será um pouco de menos para 8 jogos?

E, reitero, nem no ano passado nem neste ano o Benfica merecia perder os jogos. Mas a realidade é o que é.

Tudo o que pode correr mal ao Benfica corre mesmo mal. É um pesadêlo sem nome.

Os sócios, os adeptos voltaram a sofrer uma decepção demasiado amarga, que não mereciam mesmo.

Tudo isto tem que ser muito bem analisado por todos, porque desilusões constantes deste tipo fazem-me lembrar o que se passou no Sporting há uns anos, com as consequências que estão à vista.

Este ano não se podia mesmo falhar - era o ano que podia marcar a viragem.

Contra o Estoril não se podia falhar - falhou-se.

A partir daí não se podia falhar contra o Porto - falhou-se.

É demasiado mau para ser verdade.

E agora?

Agora vem uma final que o Benfica provavelmente vai perder. O Benfica está neste momento em cacos - fisica e psicologicamente. Não peçam apoio aos adeptos porque isso não tem faltado - o que faltou foi a equipa ganhar (ou pelo menos não perder) quando não podia falhar.

Perdendo essa final (e admitamo-lo, neste momento só quase um milagre evitará esse desfecho) as coisas ficam feias. Não é a Taça que vai servir para apagar tão amarga desilusão - perdê-la então levaria o clube ao abismo.

Ganhando a Liga Europa, pelo contrário, as coisas ficariam atenuadas. Afinal de contas e apesar da desilusão de ontem, a alegria seria tremenda. Juntando a Taça de Portugal, seria uma grande época e poderíamos de facto atribuir a derrota de ontem à má sorte, ainda que tirando ilações do que se passou com o Estoril e abordar a próxima época com confiança.

Ainda muito está portanto em jogo neste momento. Não apenas a época, mas parte do futuro do Benfica. Tínhamos uma oportunidade de ouro esta época, neste momento estamos a lutar contra um desastre quase anunciado.

O destino está a ser demasiado cruel com Jorge Jesus e o Benfica. Pelo espírito e dedicação que todos - adeptos e equipa - mostrámos esta época, não merecíamos de forma nenhuma o que começou a acontecer segunda-feira. Será que o destino ou a fortuna ainda nos surpreenderão?

Uma coisa é certa. Estivemos a 2 minutos de fazer a festa que merecíamos e levámos com esta monumental desilusão. Hoje todos nós nos tornámos um bocadinho mais cínicos. E eu perdi uma noite de sono.

Jornalistas da Antena 1 barbaramente agredidos por portistas

Jornal "Record":
 
"Equipa da Antena 1 agredida no Dragão
JORNALISTA E TÉCNICO DE SOM ENVOLVIDOS
domingo, 12 maio de 2013 | 00:13
 
Uma das equipas de reportagem da Antena 1 foi "violetamente agredida" à saída do Estádio do Dragão, depois da vitória por 2-1 do FC Porto sobre o Benfica, em jogo da jornada 29 da Liga ZON Sagres.

Fernando Eurico, jornalista, e Manuel Augusto, técnico de som, terão sido atacados à saída do estádio, quando se preparavam para sair à rua para recolher depoimentos de alguns adeptos, uma situação descrita pelo próprio jornalista da emissora.

"Uma situação inacreditável! Estava a colocar o equipamento para fazer a reportagem móvel no estádio, eu e o Manuel Augusto, quando fomos violentamente agredidos por um adepto. Depois, logo a seguir, vieram outros, que continuaram a agredir fisicamente e com insultos. Além disso, foram dando pontapés no carro, impedindo-nos de sair", descreveu o jornalista, acrescentando:

"Foi uma situação absolutamente lamentável! O Manuel está todo 'rebentado' e eu também apanhei bastante. Pouco depois fomos aconselhados por outros adeptos do FC Porto, esses bem mais calmos, para abandonar o local".

"É uma situação que faz repensar se vale a pena continuar a trabalhar nisto. É o reflexo dos adeptos que temos, neste caso um do FC Porto, que incendiou os ânimos! Trabalho há 25 anos nisto, sempre tive boas relações com toda a gente... Parecia um filme de terror!", concluiu."




- Petardos às 3 da manhã à porta do hotel do Benfica
- a maioria da época a denegrir e insultar o Benfica e o seu treinador: "O Benfica é isto: pontapé para a frente para o Cardozo", etc, etc.
- Benfica a época toda a jogar bom futebol e a ser humilde
 
E NO FIM É ISTO - SÃO "PREMIADOS" COM UM BAMBÚRRIO AOS 92 MINUTOS. RICA JUSTIÇA.
DÁ VONTADE DE DEIXAR DE VER FUTEBOL.

Torturados

Obrigado ao Estoril, por ter feito na Luz um jogo como se dele dependesse a sua vida. Graças a ele perdemos o campeonato.

Obrigado ao Nacional, por, no jogo em que poderia ter acabado com as chances do Porto, estar a perder aos 22 minutos por 3-0. Isto depois de nos fazer perder 2 pontos também no seu campo.

Obrigado ao mesmo Nacional por, na jornada seguinte, ter ido ganhar a Braga, acabando com as chances deste clube chegar à Liga dos Campeões esta época.

Obrigado também ao Braga por ter perdido esse jogo, fazendo com que o Paços de Ferreira não tenha nada para que jogar no seu último jogo em que defrontará precisamente o Porto.

Obrigado à sorte, por nos primeiros 20 minutos do jogo com o Estoril nos ter negado 3 golos em oportunidades flagrantes.

Obrigado à mesma sorte por, num jogo que o Benfica dominava, ter dado dois bambúrrios e dois golos ao Porto que não teve nenhuma oportunidade de golo o jogo inteiro.

Obrigado pela tortura de passarmos uma época a ser a melhor equipa, chegar aos descontos em cima do nosso adversário e com o campeonato no bolso e sofrer desta forma um golo que deita tudo a perder.

Muito obrigado. Estamos todos agradecidos.